Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Sonda japonesa Hayabusa2 pousa em asteroide pela segunda vez

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 11/07/2019 Da Redação
Esta foi a segunda vez que a Hayabusa2 pousou no Ryugu, um asteroide que está localizado a uma distância média de 340 milhões de quilômetros da Terra, já que é impossível viajar em linha reta - 11/07/2019 © Behrouz MEHRI/AFP Esta foi a segunda vez que a Hayabusa2 pousou no Ryugu, um asteroide que está localizado a uma distância média de 340 milhões de quilômetros da Terra, já que é impossível viajar em linha reta - 11/07/2019

A sonda espacial japonesa Hayabusa2 pousou com sucesso na manhã desta quinta-feira, 11, no distante asteroide Ryugu, como parte da delicada missão iniciada em 2014 que busca obter informações sobre a formação do sistema solar.

Veja mais no MSN Brasil:
Computador do programa Apollo minera bitcoin em teste (Canaltech)
NASA quer prolongar vida útil de sondas da década de 70 (Canaltech)
Aprenda como criar site gratuitamente com o Google Sites (Canaltech)
Pedaço de crânio pode ser o mais antigo fora da África (Superinteressante)

“O pouso foi um sucesso”, declarou à imprensa Takashi Kubota, diretor de pesquisas do programa da Agência de Exploração Espacial Japonesa (Jaxa).

A notícia foi recebida com uma grande celebração na sala de controle da missão, onde todos os técnicos se levantaram para comemorar.

Esta foi a segunda vez que a Hayabusa2 pousou no Ryugu, um corpo celeste em torno do qual girava há meses. A missão da sonda é recolher amostras de poeira do subsolo, mas até o momento não há informações sobre os progressos alcançados.

“Acreditamos que a sonda recolheu algo, mas não podemos dizer com certeza até que a cápsula tenha retornado à Terra”, disse o porta-voz da Jaxa Takashi Kubota.

O dispositivo, que em geral se encontra orbitando o asteroide a cerca de 20 km de distância, iniciou sua descida em direção ao corpo celeste na quarta-feira 10.

Hayabusa2 teve seu primeiro contato com o asteroide em fevereiro, para recolher poeira da superfície.

Meses depois, em abril, os cientistas japoneses conseguiram criar o que chamaram de primeira cratera artificial em um asteroide, com a sonda lançando um dispositivo explosivo no Ryugu para levantar material com o objetivo de revelar mais sobre as origens da vida na Terra.

Este é o último desafio da ambiciosa missão, antes do retorno à Terra da sonda, em 2020.

A aventura da Hayabusa2, a um custo de cerca de 30 bilhões de ienes (270 milhões de dólares), começou em 3 de dezembro de 2014, quando a sonda iniciou uma longa jornada de 3,2 bilhões de quilômetros para chegar ao Ryugu, que está localizado a uma distância média de 340 milhões de quilômetros da Terra, já que é impossível viajar em linha reta.

A sonda precisou de três anos e 10 meses para chegar a seu destino. Em junho de 2018 se estabilizou perto do Ryugu, um asteroide de 900 metros de diâmetro, muito antigo e que data da formação do sistema solar.

Os cientistas acreditam que o corpo celeste contém grandes quantidades de matéria orgânica e de água de 4,6 bilhões de anos, quando nasceu o sistema solar.

A agência japonesa já havia enviado uma missão similar (Hayabusa) ao asteroide Itokawa, o que permitiu recolher poeira deste pequeno corpo celeste.

(Com AFP)

Vídeo: Google imprime estátuta destruída pelo EI em 3D (RUPTLY)

A SEGUIR
A SEGUIR

Quer receber as principais notícias do MSN Brasil pelo Facebook Messenger?
Inscreva-se agora.

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon