Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Principais notícias

'Eu me vi em pânico', disse Wesley Batista em audiência após ser preso

Logotipo do(a) Notícias ao Minuto Notícias ao Minuto 14/09/2017 Folhapress com Flávio Ferreira
'Eu me vi em pânico', disse Wesley Batista em audiência após ser preso: Wesley fez as afirmações em uma audiência de custódia, ato judicial que tem por objetivo permitir aos juízes a verificação da legalidade de prisões © Reuters Wesley fez as afirmações em uma audiência de custódia, ato judicial que tem por objetivo permitir aos juízes a verificação da legalidade de prisões

Em audiência na Justiça Federal, o sócio do grupo JBS Wesley Batista disse ter vivido um momento de "pânico" ao ser preso e pensar no futuro de seu conglomerado de empresas, que segundo ele é "como um filho".

O empresário também se defendeu das acusações de ter lucrado com informações privilegiadas decorrentes do acordo de delação premiada que ele e o irmão Joesley assinaram com o Ministério Público Federal.

Wesley fez as afirmações em uma audiência de custódia, ato judicial que tem por objetivo permitir aos juízes a verificação da legalidade de prisões.

Por cerca de 40 minutos, o juiz federal João Batista Gonçalves, da 6ª Vara Criminal Federal de São Paulo, ouviu Wesley, o advogado dele, Pierpaolo Bottini, e a procuradora da República Thaméa Danelon, no começo da tarde de quarta-feira (13).

Na audiência, o empresário disse estar muito preocupado com a repercussão da detenção dele para a sobrevivência do grupo JBS.

"Eu hoje me vi em pânico, porque eu penso, como é que nós vamos fazer? Temos uma responsabilidade de um grupo econômico. E não é pelo lado patrimonial. Um grupo representa para nós como um filho. Você entra na frente de uma pessoa que vai atirar em um filho", afirmou Wesley.

Em relação às operações financeiras apontadas pela Procuradoria como parte de uma estratégia ilegal de investimento do conglomerado, o empresário disse que "não há nenhuma atipicidade em relação ao que a companhia sempre fez".

Especificamente a respeito das movimentações com dólares que teriam superado US$ 2,6 bilhões, ele afirmou que "a JBS chegou a ter US$ 11 bilhões de dólares comprados me 2014. Então, não é verdadeiro que a companhia nunca tinha feito operação daquela magnitude".

Após ouvir o empresário, o juiz federal disse a ele: "O histórico dos senhores é de influência e cooptação junto a autoridades. Os investigados têm uma ampla experiência em corromper e forçar uma situação política e econômica que lhe seja favorável. Então entendo necessária a manutenção da prisão temporária".

E arrematou: "Peço ao senhor, como pessoa física, como cidadão, como empresário, compreensão, porque a legislação tem que ser cumprida".

Joesley Batista, irmão de Wesley, também teve a prisão pedida pela suspeita de ter cometido crime financeiro, mas ele já cumpre prisão temporária em Brasília, pela suspeita de ter omitido informações em sua colaboração.Gonçalves ainda acatou pedido da defesa de Wesley e determinou que ele permaneça preso na carceragem da Superintendência da Polícia Federal na capital paulista por razões de segurança. Em geral, as pessoas detidas em regime de prisão preventiva pela PF são transferidas para instituições carcerárias estaduais.

O juiz federal disse que, além da garantia da integridade física do empresário, a medida também era necessária porque, "se algo acontecer a ele [Wesley] durante o curso dessa preventiva, a indenização que a União terá de pagar será extraordinária". Com informações da Folhapress, escrita por Flávio Ferreira.

Vídeo: Em delação, Funaro aponta repasse de propina para Temer (Via SBT)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais do Notícias ao Minuto

image beaconimage beaconimage beacon