Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Principais notícias

Janot nega ter pressa para apresentarnova ação contra Temer

Logotipo do(a) Notícias ao Minuto Notícias ao Minuto 17/07/2017 Folhapress
Janot nega ter pressa para apresentarnova ação contra Temer: Procurador-geral está nos EUA para participar de evento promovido pelo Brazil Institute © Adriano Machado / Reuters Procurador-geral está nos EUA para participar de evento promovido pelo Brazil Institute

"Se alguma investigação estiver madura até 15 de setembro [quando encerra o mandato e Raquel Dodge assume], eu ofereço a denúncia", disse o procurador-geral da República, Rodrigo Janot.

Ele negou ter pressa para apresentar uma nova denúncia contra o presidente Michel Temer e disse que vai aceitar "com a maior naturalidade" a possível rejeição pela Câmara da ação já encaminhada. Janot participa de evento promovido pelo Brazil Institute, do Wilson Center, em Washington, nesta segunda-feira (19).

O procurador-geral, que está nos EUA também para encontro com autoridades norte-americanas, disse que seu trabalho está feito no que diz respeito à denúncia por corrupção passiva apresentada contra Temer com base na delação premiada do empresário Joesley Batista, da JBS. "Não vou insistir nessa denúncia, porque não tenho como insistir tecnicamente". Caso a Câmara rejeite, o processo contra Temer seguirá apenas quando ele deixar o cargo de presidente.

Sem mencionar o nome de Joesley ou da JBS, Janot apresentou a colaboração que livrou os donos da empresa da cadeia como "a grande polêmica que se tem hoje no Brasil", e garantiu que, mesmo depois de toda a polêmica, faria tudo de novo "sem o menor drama de consciência".

"Essas pessoas procuraram agentes do Ministério Público para oferecer a possibilidade de um acordo penal. E envolviam altíssimas autoridades da República. A primeira reação nossa foi dizer 'isso é mentira, não acredito que isso esteja acontecendo, é inacreditável que a prática continue de maneira aberta'", contou.

+ Lula desiste de 22 das 86 testemunhas

"Ninguém se sente feliz concedendo imunidade a criminoso", disse o procurador-geral, destacando que a imunidade foi concedida "a pessoas ricas que moram aqui, em Nova York". Janot disse que os delatores apresentaram "takezinhos de algumas gravações" com uma diferença em relação às outras colaborações: denunciavam um crime em curso.

A gravação apresentada por Joesley Batista sugeria que o presidente Michel Temer estava agindo para atrapalhar as investigações da Operação Lava jato. A Câmara dos Deputados decidirá se o processo segue enquanto Temer for presidente, após a Comissão de Constituição de Justiça da Casa rejeitar o relatório favorável à denúncia apresentada pela PGR.

"Em toda a negociação, esses sujeitos diziam à gente que não abriam mão de imunidade", disse Janot ao justificar sua decisão. O procurador-geral ressaltou que os colaboradores denunciavam um presidente da República, um senador que tinha recebido 50 milhões de votos como candidato à Presidência [o tucano Aécio Neves] e "um colega meu recebendo dinheiro, infiltrado [o procurador eleitoral Ângelo Goulart Villela]."

Além disso, os colaboradores concordaram em participar de ações controladas, ainda sem a garantia do acordo, para conseguir mais provas. "Eles se grampearam com áudio e vídeo e foram efetuar pagamentos de propina a essas pessoas que cometeram crime."

"A escolha de Sofia que eu tive de fazer foi: eu, que tenho o monopólio da investigação e sou o titular exclusivo da ação penal, aceito prosseguir no acordo ou vou ter de fechar os olhos para crimes que estavam sendo praticados. Aí, eu sopesei os dois interesses e a concessão da imunidade", disse o procurador-geral.

Janot foi o oitavo convidado de uma série de palestras do Brazil Institute sobre as investigações que agitam a política brasileira desde 2014. Entre os palestrantes já estiveram o juiz Sérgio Moro e o ex-relator da operação no Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki, morto em acidente de avião no ano passado. Na quarta-feira, é a vez do ministro da Justiça, Torquato Jardim. Com informações da Folhapress.

Vídeo: Acidente com avião da TAM completa 10 anos hoje (Via SBT)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais do Notícias ao Minuto

image beaconimage beaconimage beacon