Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Moro condena ex-deputado André Vargas e mais 3 por lavagem de dinheiro

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 20/08/2018 Sabrina Freire
O ex-deputado André Vargas (PT) foi condenado a 6 anos por lavagem de dinheiro em processo da Lava Jato. © José Cruz O ex-deputado André Vargas (PT) foi condenado a 6 anos por lavagem de dinheiro em processo da Lava Jato.

O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na 1ª Instância, condenou a 6 anos de prisão o ex-deputado André Vargas (PT) por lavagem de dinheiro em processo da Lava Jato. Na época do crime, Vargas era ex-vice-presidente da Câmara dos Deputados.

“A culpabilidade [de Vargas] é elevada. Conforme restou comprovado na ação penal supramencionada, o condenado recebeu propina não só no exercício do mandato de Deputado Federal, mas também da função de Vice-Presidente da Câmara dos Deputados, esta, entre os anos de 2011 a 2014, período que abarca os fatos objeto desta ação penal (dezembro de 2013 a fevereiro de 2014)”, disse Moro na decisão.

A sentença (eis a íntegra) foi proferida na última 6ª feira (1.ago.2018). Também foram condenados:

  • o irmão do ex-deputado, Leon Vargas: a 5 anos de prisão em regime inicial semiaberto;
  • o empresário Marcelo Simões: a 5 anos e 4 meses, em regime inicial fechado;
  • e a ex-contadora de Alberto Youssef, Meire Poz: a 2 anos e 3 meses de reclusão em regime inicial aberto. No entanto, suas penas foram substituídas por prestação de serviços à comunidade.

Sérgio Moro afirma que os 4 condenados foram responsáveis pela ocultação de R$ 2.399.850,00 provenientes de 1 contrato entre a Caixa Econômica Federal e a empresa IT7 Sistemas, de Marcelo Simões.

Segundo o juiz, Andre Vargas usou de “sua influência política”, junto a funcionários “ainda não identificados” da Caixa Econômica, para que a empresa IT7 Sistemas  fosse contratada para fornecimento de software e prestação de serviços de informática em 19 de dezembro de 2013 em 1 contrato no valor de R$ 71.300.000,00.

Em contrapartida, Moro afirma que a IT7 teria repassado R$ 2.399.850,00, entre 10 e 31 de janeiro de 2014, ao ex-deputado, com a intermediação de Alberto Youssef.

Para o repasse, foram adotadas condutas de ocultação e dissimulação, disfarçando o real beneficiário”, disse o juiz. Segundo Moro, Marcelo Simões e Leon Denis Vargas ainda falsificaram 1 novo contrato para justificar os repasses.

A defesa do ex-deputado afirmou que a condenação é “injusta e destoa de absolutamente toda prova produzida nos autos” e que vai recorrer da decisão.

O Poder360 tenta contato com as defesas do outros condenados.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon