Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Coração de Chopin, há 170 anos num pote, diz causa de sua morte

Logotipo do(a) Superinteressante Superinteressante 12/11/2017 Bruno Vaiano
Coração de Chopin, há 170 anos num pote com álcool, revela causa de sua morte © Domínio Público Coração de Chopin, há 170 anos num pote com álcool, revela causa de sua morte

Descansar em paz já saiu de moda faz tempo. Às vezes é o corpo inteiro que fica: é o caso do cadáver de Lenin, que está até hoje embalsamado (e exposto!) em um mausoléu em Moscou. Em outras ocasiões, é só um pedacinho: vide o cérebro de Einstein, que foi removido de sua cabeça sete horas e meia após sua morte – e rendeu tantas pesquisas que ganhou até um artigo na Wikipedia.

O compositor Frédéric Chopin é do segundo time. Ele partiu desta para a melhor em 1849, com apenas 39 anos. Deixou para trás uma obra lendária e o seu… coração. Pois é.

A pedido do músico, o órgão foi retirado antes de seu enterro em Paris, e levado por sua irmã em um pote com álcool (provavelmente conhaque) para uma igreja católica em Varsóvia, capital da Polônia – seu país natal. Lá ele repousa até hoje, acompanhado de uma inscrição bíblica: “onde estiver o seu tesouro, lá também estará o seu coração” (Mateus, 6:21).

Agora, sem ser retirado do pote, esse exótico picles do período romântico foi usado para estabelecer a real causa da morte do virtuoso. Antes de investigá-lo, a equipe do pesquisador Michał Witt, da Academia de Ciências da Polônia, selou a valise com cera para evitar evaporação. Depois de tanto tempo, o órgão se tornou frágil, e qualquer contato com o ambiente exterior pode destruir uma das relíquias mais valiosas da cultura polonesa. Esse processo de exumação incomum ocorreu há três anos, praticamente em segredo, e só agora os resultados estão sendo divulgados.

Segundo os pesquisadores, o coração estava coberto por uma substância branca, que lhe dava a aparência de algo congelado. Chopin provavelmente sofria de pericardite, uma irritação na película que envolve o tecido cardíaco que pode, em casos raros, ser desencadeada por tuberculose. A teoria se contrapõe a versão mais aceita até então, que atribuía a morte precoce do músico a uma fibrose cística. Um laudo parcial foi publicado em outubro no periódico American Journal of Medicine – o final sairá em fevereiro do ano que vem.

Se Chopin morreu mesmo por consequência de sua tuberculose – essa sim, confirmada por diversas fontes –, isso só o encaixaria ainda melhor no espírito de seu tempo. Sua tosse letal foi considerada quase charmosa por seus contemporâneos: “Chopin tosse com graça infinita”, escreveu a romancista francesa George Sand.

A doença nos pulmões era parte do “mal do século”, a depressão coletiva que acometeu as artes ocidentais no século 19 e gerou obras tão pungentes quanto Os Sofrimentos do Jovem Werther, de Goethe – um best seller deprê, a que se costuma atribuir uma onda de suicídios entre jovens leitores. Aquele foi um período de valorização do indivíduo, em que se fixou a figura do gênio solitário e depressivo, que dá tudo pela arte. Principalmente o coração.


Siga o MSN no Facebook

Mais de Superinteressante

Superinteressante
Superinteressante
image beaconimage beaconimage beacon