Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Alunos de Medicina da USP iniciam greve por Hospital Universitário

Logotipo do(a) Estadão Estadão 5 dias atrás Paula Felix

Alunos da Medicina da USP entram em greve a partir de segunda: A direção da Faculdade de Medicina da USP disse lamentar a decisão dos estudantes e informou que as atividades acadêmicas serão mantidas e que as ausências não serão abonadas © JF Diório/Estadão A direção da Faculdade de Medicina da USP disse lamentar a decisão dos estudantes e informou que as atividades acadêmicas serão mantidas e que as ausências não serão abonadas

SÃO PAULO - Mais de 1 mil alunos do curso de medicina da Universidade de São Paulo (USP), segundo o centro acadêmico dos estudantes, iniciaram uma greve nesta segunda-feira, 13, em protesto à redução do quadro de médicos e do número de atendimento de pacientes do Hospital Universitário (HU). Os estudantes afirmam que o ato não prejudicará a população, pois o atendimento realizado por eles na unidade não será interrompido. Eles vão realizar uma manifestação no Masp nesta terça-feira, às 17h. A Faculdade de Medicina da USP informou que um convênio com a Secretaria Municipal da Saúde para o funcionamento do pronto-socorro do HU está em fase de finalização.

No ano passado, a direção do HU começou a reduzir os atendimentos. Foram suspensos os serviços oftalmológicos e os prontos-socorros adulto e pediátrico, limitados durante a noite apenas para casos de emergência.

+++Com crise financeira da USP, hospital reduz atendimentos

As restrições foram decorrentes do déficit de especialistas provocado pelo Programa de Demissão Voluntária (PDV) e a suspensão de novas contratações. Segundo os estudantes, como novos médicos pediram demissão nos últimos meses, há o risco de o pronto-socorro deixar de funcionar completamente até o final do mês.

Em nota, a Faculdade de Medicina da USP informou que um trabalho conjunto entre a Reitoria da universidade e a superintendência do HU está sendo realizado para viabilizar um convênio com a Secretaria Municipal da Saúde "para prover o total funcionamento do PS-HU".

+++ Em crise financeira, hospital da USP limita atendimento pediátrico

A faculdade informou que o convênio está em fase de finalização, informação que foi confirmada pela Secretaria Municipal da Saúde. " Todos os esforços estão sendo feitos, também pelo Departamento de Pediatria e pelo Instituto da Criança do Hospital das Clínicas da FMUSP, para que não haja prejuízo das atividades, principalmente do PS Infantil do HU."

A faculdade lamentou a atitude dos estudantes e informou que as atividades acadêmicas serão mantidas e as ausências não serão abonadas.

+++Estudantes da USP fazem paralisação em defesa do Hospital Universitário

Qualidade

Estudante de Medicina e secretário do Centro Acadêmico Oswaldo Cruz, Deivid Beda, de 19 anos, afirma que a greve será por tempo indeterminado e que a mobilização tem como objetivo garantir um atendimento de qualidade para os pacientes e a formação dos 2.430 estudantes da área de saúde que estudam no local e atuam atendendo a população.

"A greve que lançamos tem como pauta a qualidade do HU. A gente aprende a ser médico generalista lá em nossos estágios obrigatórios. A greve foi elaborada de forma que não prejudicasse a população e, em nenhum momento, estamos visando a interromper o atendimento."

Beda diz que a paralisação vai atingir as aulas e, apesar de a universidade informar que o calendário será mantido, os estudantes estão tentando negociar com os professores e departamentos o cancelamento das faltas e a reposição das aulas. "Estamos fazendo uma greve por nossa formação como profissionais", justifica.

O Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) diz que, desde 2014, o hospital perdeu cerca de 300 funcionários, a maioria enfermeiros e auxiliares de enfermagem. Desses, 43% eram médicos - uma redução de 15% no quadro. A diminuição também levou ao fechamento de 49 leitos. O hospital opera hoje com 184.

Nesta terça, 14, às 9h, os estudantes vão fazer uma panfletagem no metrô Butantã e na Cidade Universitária. Às 17h, será realizado um ato no vão livre do Masp. Uma assembleia para fazer um balanço sobre a paralisação está prevista para ser feita na sexta-feira.


Siga o MSN no Facebook

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon