Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Combate à pandemia de coronavírus: o que é isolamento vertical?

Logotipo do(a) Guia do Estudante Guia do Estudante 26/03/2020 Juliana Morales
© Guilherme Gandolfi/Unsplash/Reprodução

Na contramão das recomendações das entidades de saúde para conter a pandemia do coronavírus, Jair Bolsonaro pediu o fim da quarentena. O presidente defende a adoção do “isolamento vertical“: somente o grupo de risco, idosos e portadores de comorbidades (ocorrência de duas ou mais doenças ao mesmo tempo), deve permanecer confinado. Segundo o presidente, a medida ainda não foi totalmente decidida e o martelo deve ser batido em reunião com o Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. 

Não é só no Brasil. Nos últimos dias, a ideia de que o impacto na economia poderia ser mais grave para o país do que o coronavírus ganhou força entre conservadores nos Estados Unidos. A administração do presidente Donald Trump, inclusive, também estuda abrir setores da economia, isolar populações vulneráveis e permitir que os jovens trabalhem.

Como funciona o isolamento vertical, na teoria

Em um artigo publicado no jornal The New York Times, o médico americano David Katz, diretor do Centro de Pesquisa em Prevenção Yale-Griffin e um dos formuladores do método, explicou como funciona o isolamento vertical por meio de uma analogia com um “confronto aberto bélico”. O ataque cirúrgico seria isolar o grupo de risco e concentrar nele os recursos de saúde para tratamento e prevenção. O restante da população ficaria desprotegida dos efeitos do vírus, que, em geral, provocam infecções leves.

Segundo seu raciocínio, dessa forma, a sociedade desenvolveria a chamada “imunidade de rebanho”: cada vez mais pessoas teriam anticorpos para derrotar o vírus antes mesmo que ele se instalasse e pudesse se reproduzir e se espalhar, resultando o fim da pandemia.

A argumentação do médico se baseia também em números obtidos na Coreia do Sul. O país conseguiu controlar o quadro da doença por meio da contenção, com a testagem massiva da população e de rastreamento de pessoas que estariam potencialmente infectadas.

E na prática?

Após o pronunciamento de Bolsonaro, pedindo que o país “volte à normalidade”, diversas entidades da saúde manifestaram o descontentamento em relação à fala do presidente e alertaram os perigos que essa medida pode trazer, entre elas o colapso do sistema de saúde, resultando em hospitais lotados e com falta de suplementos médicos e respiradores.

O Conselho Nacional de Saúde considerou que o discurso do presidente, que chamou a doença de “resfriadinho”, “coloca em risco a vida de milhares de pessoas” e que é “uma afronta grave à Saúde e à vida da população”. Segundo a entidade, “a fala prejudica todo o esforço nacional para que o Sistema Único de Saúde (SUS) não entre em colapso diante do cenário emergencial que vivemos na atualidade”. 

Além disso, com a reabertura dos estabelecimentos comerciais e escolas, como isolar os idosos ou outros grupos de risco que moram com essas pessoas e crianças que vão circular normalmente? Será que, na prática, é possível o remanejamento gigantesco dos brasileiros para proteger os mais vulneráveis?

Países mantiveram medidas consideradas mais radicais, mas necessárias, e obtiveram melhores resultados. A China continental, por exemplo, conseguiu achatar a curva com uma estratégia de fechamento máximo. Hong Kong conseguiu conter o vírus com o distanciamento social, mas parou com as medidas rigorosas cedo demais e o número de casos aumentou. A Coreia do Sul só conseguiu resultados satisfatórios porque fez testes cedo e em muita gente. Isso não ocorreu no Brasil. 

Na quarta-feira (25), o Ministério da Saúde registrou 2.433 casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus. Ao menos, 57 pessoas morreram no Brasil por causa da doença.

Mais de Guia do Estudante

Guia do Estudante
Guia do Estudante
image beaconimage beaconimage beacon