Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Professores do município de SP decidem manter greve

Logotipo do(a) Estadão Estadão 09/03/2018 Sara Abdo
© Foto: Agência Brasil

SÃO PAULO - Professores e servidores da educação da rede municipal de São Paulo decidiram nesta quinta-feira, 8, manter paralizadas as atividades até o próximo dia 15. Eles protestam contra o aumento da contribuição um sistema de previdência complementar que vai impor maior contribuição por parte dos servidores do município.

+++ País só deve dominar Leitura em 260 anos

O Projeto de Lei 621/2016, proposto pelo ex-prefeito Fernando Haddad (PT), propõe a elevação da contribuição previdenciária de 11% para 14%, além da instituição da contribuição suplementar, com descontos de 1% a 5%, dependendo do salário do servidor, segundo o nota divulgada pelo Sindicato dos Profissionais em Educação do Ensino Municipal de São Paulo (Sinpeem).


Para Cláudio Fonseca, vereador pelo Partido Popular Socialista (PPS) e presidente do Sindicato, a medida é um confisco ao salário dos funcionarios da classe. "Não podemos aceitar os argumentos do governo de que, para cobrir um suposto déficit da Previdência, é preciso aumentar a contribuição para o Iprem e ainda criar uma contribuição suplementar".

+++ O futuro da desigualdade: foco nos jovens de hoje

Segundo informou a rádio CBN, algumas escolas na região central de São Paulo não funcionaram. Os pais e alunos de escolas infantis e de ensino fundalmental teriam sido avisados com antecedência sobre a paralização.

+++ Metade dos jovens brasileiros têm futuro ameaçado, alerta Banco Mundial

A nota do sindicato afirma que o PL deve ser votado entre os dias 20 e 23 de março e a segunda entre os dias 26 e 28 de março, mas a agenda não está registrada no site da Câmara.


Siga o MSN no Facebook

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon