Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Alckmin espera ‘esforço ao centro’ para reduzir número de candidatos

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 24/04/2018 João Pedroso de Campos
A semana infernal – Alckmin: correligionário vira réu, pesquisa mostra 8% e Justiça abre ação contra dirigentes do metrô: Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB à Presidência da República © Agência o Globo Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB à Presidência da República

Variando entre 6% e 8% das intenções de voto na corrida pela Presidência da República, conforme a mais recente pesquisa Datafolha, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) declarou nesta segunda feira que a sondagem eleitoral ainda não ilustra a realidade da disputa e que espera um “esforço mais ao centro” para reduzir o número de candidaturas no páreo.

“A primeira tarefa é chegar ao segundo turno, crescer mais alguns pontinhos. Está muito fragmentado, contei 22 candidatos, a população fica até confusa. Tem que reduzir um pouco, estamos ainda no começo, mas em maio, junho, é preciso um esforço mais ao centro para afunilar”, declarou Alckmin após reunião com conselheiros da FecomercioSP, na sede da instituição, na capital paulista.

Além do tucano, também são pré-candidatos ao Palácio do Planalto por partidos de centro o ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (MDB), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), o senador Álvaro Dias (Podemos) e o empresário Flávio Rocha (PRB), entre outros.

Nesta segunda-feira, o ex-prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) deu declarações no sentido de que Alckmin mantenha diálogo com Dias e Rocha, com vistas a possíveis alianças eleitorais.

Na reunião na FecomercioSP, Alckmin ressaltou a importância da construção de apoios à soma de tempo de propaganda partidária na TV, que, para ele, terá grande influência em uma campanha mais curta, de 45 dias. “Queira ou não, a TV vai ter peso grande, estamos construindo com cinco partidos, vamos tentar chegar a sete”, declarou, sem citar quais legendas seriam essas.

Na semana passada, o ministro Gilberto Kassab (PSD) não fechou questão sobre o apoio do partido a Alckmin, mas destacou que “a ampla maioria” do PSD prefere aderir ao tucano.

A despeito do fraco desempenho no Datafolha, Geraldo Alckmin diz mirar os eleitores ainda sem candidato definido, “uma avenida para crescer”. “Nós temos de 6% a 8% de intenção de voto e a campanha nem começou. Temos 28% de quem poderia votar, uma avenida para poder crescer e passar de dois dígitos. Você não tem ainda os instrumentos da campanha, meios de comunicação para passar a mensagem a todo país, isso vai levar tempo”, afirmou.

Quanto à histórica dificuldade eleitoral de presidenciáveis tucanos no Nordeste, o pré-candidato do PSDB ponderou que o quadro para 2018 “é diferente” porque “o PT não é mais aquela unanimidade” na região. Ele ressaltou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, líder das pesquisas de intenção de voto e preso em Curitiba pela Operação Lava Jato, não será candidato ao Planalto.

Questionado durante a reunião sobre como será sua relação com a fragmentação partidária do Congresso caso eleito, Alckmin disse entender que, diante da campanha mais curta e das fontes de financiamento mais escassas, não deve haver grande renovação entre os ocupantes de cadeiras na Câmara e no Senado. “Não vai melhorar, vai mudar pouco e vai continuar fragmentado. O novo vai ter dificuldade até para ficar conhecido”, declarou o tucano.

Ele destacou, contudo, que a legitimidade das urnas que será dada ao novo presidente permitiria o encaminhamento de reformas ao Congresso logo no primeiro ano de mandato. “Difícil é fazer no último ano”, completou Alckmin, antes de elogiar o presidente Michel Temer (MDB) pela aprovação da reforma trabalhista em 2017.

------------------

Vídeo: A Constituição brasileira é eficaz? (Via TV Cultura)

A SEGUIR
A SEGUIR

Siga o MSN no Facebook

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon