Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Bolsonaro questiona motivação política em morte de mestre de capoeira

Logotipo do(a) Notícias ao Minuto Notícias ao Minuto 11/10/2018 Folhapress
Na pesquisa mais recente divulgada pelo Datafolha, Bolsonaro aparece na liderança com 35% das intenções de voto: Bolsonaro questiona motivação política em morte de mestre de capoeira © REUTERS/Paulo Whitaker Bolsonaro questiona motivação política em morte de mestre de capoeira

O candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL) questionou nesta quinta-feira (11) a versão de que que a morte do mestre Romualdo Rosário da Costa, 63, conhecido como Moa do Katendê, tenha ocorrido por motivações políticas.

Em uma rede social, o presidenciável compartilhou um vídeo de uma entrevista no qual Paulo Sérgio Ferreira de Santana, suspeito de matar Katendê, afirma que a discussão não teve a ver com política, mas sim com futebol. Junto com o vídeo, o presidenciável postou a expressão "imprensa lixo!".

A entrevista foi concedida a redes de televisão da Bahia durante a apresentação do suspeito pela Secretaria de Segurança Pública na segunda-feira (8). A entrevista, contudo, contradiz o próprio depoimento do suspeito dado à polícia horas antes.

Em nota, a secretaria da Segurança Pública da Bahia destacou que "a preferência por um determinado candidato político foi relatada pelo autor do homicídio contra o mestre de capoeira 'Moa do Katendê', durante depoimento".

+ Bolsonaro lidera entre eleitores brancos e Haddad entre pardos e pretos

+ Manifestantes pró-Bolsonaro perseguem comitiva de Haddad

A secretaria também informou que a discussão política como causa do assassinato foi confirmada por testemunhas que estavam no bar onde o caso ocorreu.

O discurso de Bolsonaro sobre casos de violência relacionados à eleição tem sido marcada por idas e vindas nos últimos dias .

Questionado em entrevista sobre os sucessivos casos de agressões Bolsonaro disse: "Quem tomou a facada fui eu! O cara que tem uma camisa minha comete lá um excesso. O que eu tenho a ver com isso? Lamento. Peço ao pessoal que não pratique isso. Mas não tenho controle sobre milhões e milhões de pessoas que me apoiam".

Na noite desta quarta-feira (10) ele mudou o tom e postou numa rede social: "Dispensamos o voto e qualquer aproximação de quem pratica violência contra eleitores que não votam em mim".

Um dos filhos de Bolsonaro, o vereador pelo Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PSL), também criticou a imprensa sobre a cobertura dos casos de violência.

"A imprensa intensifica covarde e maciçamente possíveis violências a possíveis eleitores de Bolsonaro, tentando colar tais absurdos ao capitão, ignorando completamente qualquer situação semelhante há tempos de eleitores do marmita do preso corrupto. O sistema está orquestrado e desesperado", disse. Com informações da Folhapress.

Mais do Notícias ao Minuto

image beaconimage beaconimage beacon