Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Ciro Gomes sobre candidatura de Haddad: ‘Brasil não aguenta outra Dilma’

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 12/09/2018 Poder360
© Foto: Ricardo Moraes/Reuters

O candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, intensificou as críticas a seu adversário na disputa por votos na esquerda, Fernando Haddad. Em sabatina promovida por veículos de imprensa do Grupo Globo, Ciro comparou a oficialização do ex-prefeito de São Paulo como candidato petista à escolha de Dilma Rousseff para ser a candidata do PT que daria continuidade aos governos do ex-presidente Lula.

Não é assim [uma eventual eleição de Haddad] que vamos sair dessa encalacrada. […] O Brasil não aguenta outra Dilma, uma pessoa que é indicada“, disse o pedetista. Quando questionado sobre os paralelos feitos entre si e a petista, afirmou que o período de Dilma no Planalto foi “desastrado” e que fica ofendido com a comparação.

Ciro Gomes afirmou ter afeição e carinho por Fernando Haddad, mas disse que o petista não conhece o interior do país. O pedetista frisou por diversas vezes o aspecto de indicação –em 1 sentido pejorativo– de Lula para que o ex-prefeito de São Paulo fosse o candidato à Presidência.

Sobre o PT e Lula, o candidato do PDT foi ainda mais incisivo. Disse que o partido “tenta fraudar a ideia de Lula vítima” e insulta os eleitores ao fazê-lo. Em sua interpretação, o PT tentou manipular o eleitor ao manter Lula como candidato inscrito na chapa até o último momento possível –Lula foi barrado pelo TSE e Haddad só foi confirmado candidato na 3ª feira (11.set), limite do prazo.

Assista à entrevista na íntegra (no Facebook):

Publicação do Facebook relacionada

Compartilhado do Facebook

O ex-governador do Ceará também fez críticas ao vice do candidato a presidente Jair Bolsonaro (PSL), general Hamilton Mourão (PRTB). O pedetista disse que se for eleito “militar não fala em política” e que Mourão estaria demitido ou “pegaria uma cana”.

“O general Mourão é 1 jumento de carga, que tem entrada no Exército. Quem manda nesse País é nosso povo. Tutela, sargentão dizendo que vai fazer isso e aquilo, comigo não acontecerá. Sob a ordem da Constituição, eu mando e eles obedecem. Quero as Força Armadas poderosas, modernas, altivas. Não quero envolvidas no enfrentamento do narcotráfico, isso é papo de americano”, disse.

  

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon