Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Com apoio do Centrão, Alckmin terá mais da metade do tempo de TV

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 20/07/2018 Guilherme Venaglia
Geraldo Alckmin: O pré-candidato à presidência da República, Geraldo Alckmin (PSDB), participa do Fórum da Mobilidade, em Brasília (DF) – 18/07/2018 © Reuters O pré-candidato à presidência da República, Geraldo Alckmin (PSDB), participa do Fórum da Mobilidade, em Brasília (DF) – 18/07/2018

A decisão do bloco conhecido como Centrão de apoiar a pré-candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência da República nas eleições de 2018 fará disparar o tempo de televisão do candidato. Somando os quinhões a que tem direito os dez partidos que devem participar da coligação, o tucano terá mais da metade das duas horas diárias dedicadas às candidaturas, somando-se os programas eleitorais e as muitas inserções ao longo do dia.

Dos 121 minutos previstos pela divisão estabelecida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que atende a critérios relacionados ao tamanho das bancadas no Congresso, nada menos do que 62 minutos e 22 segundos serão destinados aos partidos que comporão a aliança de Alckmin – pouco mais de 51% do tempo total.

A cada bloco do horário eleitoral destinado exclusivamente aos presidenciáveis, com 12 minutos e 30 segundos, cerca de 6 minutos e 50 segundos serão destinadas à propaganda do tucano. Formado por PP, PR, DEM, PRB e Solidariedade, o bloco representa também uma nada modesta fatia de 440,4 milhões de reais no fundo eleitoral.

Essas legendas do “Centrão” irão se juntar a outras cinco siglas que já estavam na chapa de Alckmin. Além do próprio PSDB, o tucano já havia garantido as alianças com PSD, PV, PTB e PPS. Pelo acordo firmando nesta quinta-feira, o candidato a vice-presidente será o empresário mineiro Josué Gomes da Silva (PR), filho de José Alencar, que ocupou a mesma função nos dois mandatos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

O Centrão decidiu-se pelo apoio a Alckmin nesta quinta-feira após ter negociado por dias com outro presidenciável, Ciro Gomes (PDT). Segundo a coluna Radar, a principal oposição a fechar com o pedetista veio do DEM e do PRB. Também pesaram contra ele as recentes declarações polêmicas e o temor que provoca em parte do empresariado.

O tamanho do Centrão

O bloco conhecido como Centrão surgiu em 2015, quando um grupo de legendas de médio e pequeno porte se afastou do domínio dos polos formados por PT e PSDB e formou um novo foco de poder no Congresso. Aproveitando-se do tamanho que possuíam quando unidas, os partidos demonstraram poder logo de cara, com a eleição do então deputado Eduardo Cunha (MDB-RJ) para presidir a Casa, contrariando o governo Dilma, que queria Arlindo Chinaglia (PT-SP) no posto.

Hoje, a versão formada pelos cinco partidos, também chamada por vezes de “blocão”, não conta com algumas das legendas nanicas que também a integravam, mas tem o poder de sustentar um governo no Congresso – ou, se quiser, impedir seriamente que esse funcione, como no caso da ex-presidente petista. Somados, DEM, PR, PRB, PP e Solidariedade possuem 164 deputados federais e 21 senadores, além de duas governadoras – Cida Borghetti, do Paraná, e Suely Campos, de Roraima.

Apesar da adesão formal lhe garantir o tempo de televisão, Alckmin ainda precisará de mais esforço de negociação para garantir que os palanques estaduais e parlamentares desses partidos estejam com ele. A maior parte dos deputados do PR, por exemplo, é mais simpática a Jair Bolsonaro (PSL). Da mesma forma, PP e Solidariedade preferiam Ciro e resistiram ao tucano, aceitando a aliança em respeito ao acordo de apoio em bloco a um único candidato.

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon