Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Doria vai disputar prévias para ser candidato ao governo de SP

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 13/03/2018 Guilherme Venaglia
Joao Doria: O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), acompanhado do vice-prefeito Bruno Covas, participa de ato organizado por apoiadores na sede do Diretório Estadual da legenda, na capital paulista – 12/03/2018 © Estadão Conteúdo O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), acompanhado do vice-prefeito Bruno Covas, participa de ato organizado por apoiadores na sede do Diretório Estadual da legenda, na capital paulista – 12/03/2018

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), confirmou o que há muito já se especulava: é pré-candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB na eleição deste ano. Em evento para formalizar sua inscrição nas prévias, que ocorrerão no próximo domingo, 18, o tucano acenou a adversários e se esforçou para apresentar sua postulação como um desejo do partido, e não dele.

“Eu fico sensibilizado com esse movimento, que nasceu dos diretórios e da militância”, afirmou, citando o documento com pouco mais de 1.800 assinaturas de delegados tucanos em seu favor. “Eu não pedi a ninguém que assinasse. Não reivindiquei, mas estou aqui, como um militante do PSDB”, completou.

O prefeito se esquivou de responder se temia rejeição por aceitar deixar o cargo apenas um ano e três meses depois de eleito para administrar São Paulo. “A nossa gestão na Prefeitura sempre foi uma gestão coletiva, não foi individual. É a soma do trabalho do João Doria com o [vice-prefeito] Bruno Covas e uma brilhante equipe de trabalho”, desconversou. Ele ainda argumentou que, como governador, poderá ajudar a capital. “Estar em São Paulo é ajudar São Paulo.”

Questionado se tinha aval de Geraldo Alckmin (PSDB), pré-candidato do partido à Presidência da República, que não estava presente ao evento, o prefeito disse que o governador respeitará a decisão da legenda. “Eu não preciso de aval do governador, eu preciso do aval do PSDB.”

Apesar da declaração de independência, o prefeito fez um afago a Alckmin, definindo a vitória do pleito presidencial do governador ao Planalto como “objetivo maior”. “Eu não quero que os meus filhos e os filhos do Brasil tenham ao final de uma eleição no segundo turno um candidato de extrema-esquerda e outro de extrema-direita”, disse, em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e ao deputado Jair Bolsonaro (PSL-RJ).

Em sua fala, Doria procurou acenar aos demais postulantes das prévias. “Nosso adversário não está no PSDB”, afirmou. Ele ainda fez questão de excluir o vice-governador Márcio França, pré-candidato do PSB, da rivalidade e retomou o discurso antipetista, que o consagrou em 2016. “O grande adversário de São Paulo e do Brasil é o PT.”

Apesar de dizer que só se tornou candidato nesta segunda-feira, o prefeito afirmou que já está acertada uma aliança com o PSD, do ministro Gilberto Kassab, que indicará o nome do candidato a vice-governador. Questionado se o cargo será do ex-prefeito paulistano, ele disse que é um dos cogitados, ao lado do ex-vice-governador paulista Guilherme Afif Domingos (na gestão Alckmin) e da ex-vice-prefeita de São Paulo Alda Marco Antonio (na gestão Kassab).

Outros candidatos

Além de Doria, devem disputar as prévias pela indicação do PSDB o prefeito de Praia Grande, Alberto Mourão, o secretário de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, o cientista político Felipe D’Avila e o ex-senador José Aníbal.


Siga o MSN no Facebook

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon