Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

MDB opta por neutralidade em 2º turno e diz que será independente em 2019

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 11/10/2018 Naomi Matsui
Romero Jucá anunciou que MDB não fará parte do governo federal em 2019 © Sérgio Lima Romero Jucá anunciou que MDB não fará parte do governo federal em 2019

O presidente nacional do MDB, senador Romero Jucá (RR), anunciou nesta 5ª feira (11.out.2018) que o partido optará pela neutralidade entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) no 2º turno da eleição presidencial. A sigla liberará filiados e políticos para escolher quem apoiarão.

Segundo o senador, a decisão foi tomada após ouvir a maioria de seus integrantes, incluindo o presidente Michel Temer.

“Disse ao presidente qual era a decisão da maioria. Ele concordou com a decisão da maioria do MDB e anuncio a neutralidade. O presidente aprovou. Essa decisão não é do Michel Temer. É uma decisão do partido”, disse Jucá à imprensa.

O senador afirmou também que, independente de quem assuma o Planalto em 2019, o MDB tomará uma posição de independência, sem ser oposição nem apoiar o futuro governo.

“O partido será independente. Vai discutir cada matéria, vamos nos posicionar pelo partido, vamos discutir com as bancadas. Vamos votar a favor no que for bom. O que for a ruim, vamos denunciar”, falou.

Jucá afirmou que não decidiu em quem votará. O senador não conseguiu a reeleição ao Senado, mas demonstrou preocupação com o clima de divisão no Congresso.

“O Congresso estará dividido. A perspectiva é que, se não houver cabeça fria, teremos uma situação de dificuldade, tanto na Câmara como no Senado. Não sei se paralisia, mas esperamos que, acabada a eleição, todo mundo desça do palanque e permaneça o bom senso”, falou.

O MDB é o partido com maior número de filiados do país. Segundo dados de abril do Tribunal Superior Eleitoral, a sigla tinha 2,3 milhões de inscritos. Em seguida, vem o PT de Haddad, com 1,2 milhão.

Emedebistas têm defendido no apoio a Haddad ou Bolsonaro. O presidente do Senado, Eunício Oliveira (CE), apostou no apoio ao PT para tentar a reeleição. Não deu certo. Já nomes como Paulo Skaf (SP) se disseram a favor de Bolsonaro.

Também já manifestaram neutralidade DEM, PP, PR, PSDB, PRB, Rede, Patriota, PPS e Podemos.

Psol, PSTU, PSB e PPL também declararam apoios formal ou informal a Haddad. O candidato do PDT, Ciro Gomes, manifestou “apoio crítico” ao petista.

O PTB foi a única legenda a declarar apoio formal a Bolsonaro desde domingo.

Saiba quais partidos já anunciaram apoio a Bolsonaro ou Haddad no 2º turno.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon