Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Principais notícias

PGR pede ao STJ inquérito para investigar Favreto por prevaricação

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 11/07/2018 João Pedroso de Campos
Rogério Favreto: O Desembargador Rogério Favreto © Flickr O Desembargador Rogério Favreto

A Procuradoria-Geral da República (PGR) pediu nesta quarta-feira, 11, ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a abertura de um inquérito para investigar a prática de suposto crime de prevaricação pelo desembargador federal Rogério Favreto, do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), ao determinar a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante o plantão do TRF4, no último domingo, 8.

A decisão de Favreto, que concedeu um habeas corpus movido por três deputados petistas, desencadeou uma “guerra de liminares” entre o magistrado, o juiz federal Sergio Moro e o relator da Operação Lava Jato no TRF4, desembargador João Pedro Gebran Neto, que defenderam que Lula continuasse preso. A decisão do plantonista foi derrubada na noite de domingo pelo presidente do tribunal, desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores.

Para a PGR, há indícios de que Rogério Favreto, filiado ao PT entre 1991 e 2010, tomou a decisão “com o objetivo de satisfação de sentimentos e objetivos pessoais”. “O episódio atípico e inesperado, fruto de infração disciplinar do magistrado, produziu efeitos nocivos sobre a credibilidade da justiça e sobre a higidez do princípio da impessoalidade, que a sustenta”, afirma no pedido a procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

No documento, Dodge sustenta que, sem competência para atuar no caso de Lula, o desembargador se baseou em “em premissas notoriamente artificiais e inverídicas” e desrespeitou a decisão da 8ª Turma do TRF4 de mandar prender o petista após o esgotamento de seus recursos no tribunal, além das decisões da Quinta Turma do STJ e do plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) de negarem habeas corpus preventivos movidos pela defesa do ex-presidente para que evitar sua prisão.

A PGR classifica as decisões de Favreto como “miríade de atos de desrespeito à ordem jurídica” que teve como consequência “a exposição do Poder Judiciário brasileiro, nos planos nacional e internacional, a sentimentos generalizados que variaram da insegurança à perplexidade, da instabilidade ao descrédito”.

A procuradora-geral destaca que, mesmo após Gebran Neto determinar que o petista continuasse na cadeia, Favreto reiterou sua decisão e “dirigiu-se à autoridade policial, fixando prazo em horas para que cumprisse sua decisão, chegando a cobrar pessoalmente ao telefone o seu cumprimento”.

Após enumerar o currículo profissional de Rogério Favreto, que ocupou cargos em gestões petistas na prefeitura de Porto Alegre e nos governos dos ex-presidentes Lula e Dilma Rousseff, a procuradora-geral da República diz que “as notórias e estreitas ligações afetivas, profissionais e políticas do representado [Favreto] com o réu [Lula], cuja soltura ele determinou sem ter jurisdição no caso, explicam a finalidade de sua conduta para satisfazer interesses pessoais e os inexplicáveis atos judiciais que emitiu e os contatos que fez com a autoridade policial para cobrar urgência no cumprimento de suas decisões”.

Raquel Dodge ainda afirma que o momento em que o habeas corpus foi protocolado pelos deputados Paulo Pimenta (PT-RS), Wadih Damous (PT-RJ) e Paulo Teixeira (PT-SP), na sexta-feira, 6, 32 minutos após o início do plantão do TRF4, “sugere” que a decisão de Rogério Favreto “foi um ato orquestrado meticulosamente para, em detrimento da lei vigente, alcançar a soltura do réu, que havia sido negada pelas vias processuais lícitas e competentes”.

Sobre o argumento utilizado por Favreto para julgar o habeas corpus no plantão – de que a pré-candidatura de Lula à Presidência é um “fato novo” – Dodge ironiza: “De fato, o que aconteceria se todo preso em regime fechado se anunciasse pré-candidato? Seriam todos soltos pelo representado em sede de plantão?”.

Leia aqui a íntegra do pedido de Raquel Dodge ao STJ.

Reclamação ao CNJ

Além do pedido de abertura de inquérito policial para apurar a conduta de Rogério Favreto, a PGR enviou ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ), nesta quarta-feira, uma reclamação solicitando que ele seja condenado por infração disciplinar. Nesta terça-feira, 10, o CNJ abriu investigações preliminares sobre as condutas de Favreto, João Pedro Gebran Neto e Sergio Moro nas decisões sobre a liberdade de Lula.

Ao órgão que fiscaliza o Judiciário, Raquel Dodge alega que o desembargador quebrou os princípios da impessoalidade e imparcialidade e, assim, violou a Lei Orgânica da Magistratura (Loman) e a Constituição. Para a PGR, Favreto pôs “em grave risco a credibilidade do sistema de Justiça brasileiro” ao agir de maneira “consciente e persistente” para colocar o ex-presidente em liberdade. 

Leia aqui a íntegra da reclamação da PGR ao CNJ.

--------------------------------------------------

Vídeo: Maior fundo do mundo exclui JBS por “corrupção bruta” (Via Exame)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon