Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

'Essas reservas permanecem intocadas', diz ministro sobre Renca

Logotipo do(a) Estadão Estadão 12/09/2017 Anne Warth

BRASÍLIA - O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, disse que as reservas ambientais e indígenas que fazem parte da Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca) serão preservadas. "Essas reservas permanecem intocadas", disse o ministro, em conferência com a imprensa estrangeira.

Em agosto, o governo publicou um decreto que extinguia a Renca, mas a decisão foi alvo de muita polêmica e críticas por parte de ambientalistas, pois a área fica na floresta amazônica. No fim do mês, a União decidiu paralisar todos os procedimentos relativos a atividades de mineradoras na região. Diversos artistas gravaram um vídeo em protesto contra a extinção da Renca, que viralizou nas redes sociais.

MPF move ação contra decreto que extinguiu reserva na Amazônia: MPF moveu ação contra decreto que extinguiu reserva na Amazônia © TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO MPF moveu ação contra decreto que extinguiu reserva na Amazônia

O ministro respondeu a essas críticas e disse que, no futuro, a presença do Estado e de empresas privadas na Renca vai contribuir para preservar a região e acabar com o garimpo ilegal.

"Temos hoje 3 mil garimpeiros e 28 pistas de pouso na Renca. Nunca nenhum órgão ambiental manifestou indignação antes sobre essa exploração ilegal que acontece na Renca", afirmou. "Com a presença do Estado e da iniciativa privada, vamos reprimir e eliminar atividade ilegal na Renca. Mesmo que haja mineração na área, ela se dará em área remanescente."

Criada em 1984, a Renca fica na divisa entre Pará e Amapá e tem uma área equivalente ao Espírito Santo. A região possui reservas minerais de ouro, ferro e cobre.

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon