Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Safra recorde, com produção de arroz em alta

Logotipo do(a) Estadão Estadão 16/09/2020 Notas & Informações

Com a produção de 257,8 milhões de toneladas, prevista no último levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para o período, a safra brasileira de grãos 2019/2020 registrará novo recorde, reafirmando o bom desempenho do setor num período de grandes dificuldades para a economia.

O resultado é 4,5% maior do que o da safra anterior. Como a área plantada teve aumento um pouco menor, de 4,2%, mais uma vez a agricultura brasileira registrará ganho de produtividade, desta vez de 0,3%. Nesta safra, a produtividade será de 3.912 quilos por hectare, quase 70% maior do que a de 15 anos antes (de 2.339 kg/ha).

Como ainda faltam os resultados das culturas de inverno, principalmente o trigo, e a inclusão de dados de algumas regiões, os números finais podem ser diferentes dos agora anunciados. Mas não alterarão o quadro geral, de bom desempenho no ano em que a economia mundial foi severamente afetada pela pandemia.

Há um conjunto de recordes para diferentes culturas. A soja, o principal produto agrícola do País, por exemplo, deve alcançar produção recorde de 124,8 milhões de toneladas. Esse resultado posicionará o Brasil como o maior produtor mundial da oleaginosa, à frente dos Estados Unidos.

Também o milho deve registrar novo recorde, com produção de 102 milhões de toneladas. O número final ainda depende das lavouras das áreas do Nordeste e de Roraima cujos resultados ainda não foram contabilizados. Outra cultura que deve registrar produção recorde é a do algodão em pluma. O total deve chegar a 2,93 milhões de toneladas, 4,2% mais do que a produção da safra anterior.

Os dados sobre produção, importação, exportação e estoques de arroz deixam claro que não há nenhum problema de abastecimento desse cereal no País. A produção deve alcançar 11,2 milhões de toneladas, com aumento de 6,7% sobre a safra anterior. A colheita está praticamente encerrada, sendo 10,3 milhões de toneladas de áreas de cultivo irrigado e 900 mil toneladas de plantio de sequeiro.

A Conab observa, com razão, que, mesmo com a liberação da importação do arroz autorizada pelo governo na tentativa de conter preços, a balança comercial do produto (exportação menos importação) deverá ser superavitária. O estoque do produto no final da safra será muito próximo do registrado no final da safra anterior. 

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon