Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Dois policiais morrem e um fica ferido em tiroteio na avenida Champs-Elysées, em Paris

Logotipo do(a) RFI RFI 20/04/2017 RFI
© Fournis par RFI

Dois policiais morreram (um no momento e outro no hospital) e um ficou ferido em tiroteio na avenida Champs-Elysées, em Paris, nesta quinta-feira (20) por volta das 21h locais (16h de Brasília). O criminoso foi morto, segundo o Ministério do Interior, e seria registrado com uma "ficha S" (de pessoas investigadas por terrorismo). Há suspeita de que haja um cúmplice foragido.

"O agressor desceu de um carro e abriu fogo contra uma viatura da polícia com uma arma automática", disse uma fonte da polícia.

A avenida, um das mais famosas do mundo, foi bloqueada pela polícia. A secretaria de Segurança pediu que as pessoas evitem o local. As estações de metrô da zona foram fechadas, e um helicóptero da polícia sobrevoa o local.

A seção anti-terrorista da Justiça francesa investiga o caso. O presidente François Hollande e o ministro do Interior, Matthias Fekl, se reúnem no Palácio do Eliseu, sede do governo francês, que fica nas proximidades do local do ataque.

Choukri Chouanine, gerente de um restaurante na rua de Ponthieu, nas proximidades, disse que escutou um "tiroteio curto", mas com "muitos tiros". "Levamos nossos clientes para o subsolo."

Segundo a polícia, não se sabe ainda o motivo do ataque, mas a suspeita é de um atentado, a três dias do primeiro turno da eleição presidencial francesa. Os candidatos se encontravam no momento no canal France 2 para a última participação na TV antes da votação deste domingo (23).

Atentado desmantelado

Na última terça-feira, a polícia desmantelou um atentado planejado contra os candidatos. Dois homens de 23 e 29 anos foram presos nesta terça-feira (18) em Marselha.

Os dois homens, ambos radicalizados, foram detidos durante uma investigação do serviço secreto, em Paris, sobre redes terroristas implantadas na capital.

De acordo com o ministro do Interior, Matthias Fekl, a dupla, que tinha passagem pela polícia, tinha nacionalidade francesa e uma “clara intenção de cometer atentados a curto prazo em território francês”. No apartamento deles, alugado perto da estação de trem da cidade, foram encontrados explosivos, armas de fogo e uma bandeira do Estado Islâmico.

Na semana passada, a segurança de François Fillon foi avisada sobre os riscos relativos ao ex-primeiro-ministro, envolvendo principalmente o comício do candidato na última segunda-feira.

O Ministério do Interior também já havia reforçado o contingente de policiais em Montpellier, no sul da França, onde o candidato realizou um comício na sexta-feira (14).

MAIS DE RFI

image beaconimage beaconimage beacon