Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

‘El Chapo’ é condenado à prisão perpétua nos EUA

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 17/07/2019 Poder360
Preso em 2017, o traficante 'El Chapo' foi condenado a prisão perpétua © Wikimedia Commons Preso em 2017, o traficante 'El Chapo' foi condenado a prisão perpétua

O traficante de drogas mexicano Joaquin “El Chapo” Guzman, 62, foi condenado nesta 4ª (17.jul.2019) à prisão perpétua nos Estados Unidos pelos crimes de tráfico de drogas, posse de armas e lavagem de dinheiro. Na sentença, o juiz adicionou mais 30 anos “simbólicos” sem condicional e ordenou que o mexicano pague multa de US$ 12,6 milhões (cerca de R$ 47,3 milhões).

“As evidências mostraram que, sob as ordens de Guzman, o cartel de Sinaloa era responsável pelo contrabando de montanhas de cocaína e outras drogas para os Estados Unidos durante seus 25 anos de reinado”, disseram os promotores no caso em documentos judiciais. Também afirmaram que o “exército de sicários” do traficante estava sob ordens de sequestrar, torturar e matar qualquer 1 que “estivesse em seu caminho”.

El Chapo foi preso em 2016 e extraditado em 2017. Antes de receber a sentença, teve a oportunidade de falar com a imprensa. O traficante criticou a prisão nos EUA, para onde foi extraditado, a qual classificou como “uma tortura psicológica, emocional e mental durante 24 horas”, segundo o jornal espanhol El País. Guzman nega as acusações.

O CASO

A principal acusação apontada a ‘El Chapo’ está relacionada com o negócio de milhões que criou através do tráfico de drogas, sobretudo de cocaína e heroína. Quando era mais novo, Guzmán começou por cultivar maconha perto de sua casa, em Sinaloa, e a produzir heroína ao raspar “aos poucos, todas as manhãs” a resina das papoilas que tinha plantado. Pelo menos foi assim que Miguel Ángel Martínez, braço direito de Guzmán no cartel de Sinaloa entre 1987 e 1993, descreveu aos juízes durante o seu depoimento em tribunal.

A acusação afirma que Guzmán desde cedo distinguiu-se dos restantes narcotraficantes mexicanos por “sua eficiência em transportar a droga para os Estados Unidos, incluindo Califórnia, Arizona e Texas, e em devolver os lucros da venda em tempo recorde”. Esta rapidez teria feito com que o mexicano começasse a ser conhecido por ‘El Rapido’, tendo depois passado a ser chamado de ‘El Chapo’ devido à sua pequena estatura. “No final dos anos 80, à medida que a riqueza de Guzmán crescia, também o seu poder no México aumentava”, acrescentam.

Foram centenas de toneladas de drogas que, ao longo de décadas, o cartel de Sinaloa conseguiu transportar desde a América Central e do Sul para serem distribuídas nos Estados Unidos. Para isso, o grupo de Guzmán utilizou diversas técnicas de transporte para escapar das autoridades. Usava de túneis secretos –como o que estava localizado em Água Prieta, na fronteira mexicana, e que permitiu o transporte de droga entre 1985 e 1990–, mas também submarinos, aviões e comboios com compartimentos secretos. Uma “enorme infraestrutura de transporte”, nas palavras da justiça norte-americana.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon