Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

'Ele disse que queria matar todos os muçulmanos', relata testemunha de atropelamento que matou 1 e feriu 10 em Londres

Logotipo do(a) BBC Brasil BBC Brasil 5 dias atrás

Um homem morreu e dez pessoas ficaram feridas depois que uma van avançou sobre fieis nos arredores de uma mesquita no norte de Londres.

Finsbury Park: Equipes forenses no local do incidente

Equipes forenses no local do incidente
© AFP/Getty Images

Por volta das 00h20 desta segunda-feira (20h20 de domingo em Brasília), o veículo subiu a calçada em frente a sede da ONG Muslim Welfare House, próxima à Mesquista de Finsbury Park. Havia muitas pessoas na rua que deixavam o templo, onde participaram das orações noturnas como parte do período de Ramadã, mês em que muçulmanos praticam o jejum.

Os feridos foram encaminhados a três hospitais da capital. O homem que morreu ainda não foi identificado.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, disse que o incidente está sendo tratado como um "possível ataque terrorista".

Uma das testemunhas, Khalid Amin, contou à BBC que o veículo deliberadamente se dirigiu contra um grupo de muçulmanos na rua. "Ele estava gritando: 'Eu quero matar todos os muçulmanos'".

Segundo a polícia, o motorista da van, um homem de 48 anos, está preso. Ele foi levado a um hospital, mas está sob custódia das forças de segurança.

Ele foi detido por pessoas que estavam na rua, aguardando a chegada da polícia.

Algumas testemunhas acreditam que mais pessoas estavam envolvidas no ataque, mas a polícia disse em um comunicado que não há outros suspeitos. Outras reclamaram da demora da polícia para chegar ao local do incidente - algumas disseram que foram 45 minutos de espera.

Finsbury Park: Pessoas rezam na rua após o ataque © AFP/Getty Images Pessoas rezam na rua após o ataque Finsbury Park: Serviços de emergência chegam ao local do episódio © EPA Serviços de emergência chegam ao local do episódio

A primeira-ministra, Theresa May, descreveu o ocorrido como um "terrível incidente" e acrescentou: "Todos os meus pensamentos estão com os feridos, seus entes queridos e os serviços de emergência no local".

O prefeito de Londres, Sadiq Khan, prometeu aumento do policiamento para comunidades, especialmente aquelas celebrando o Ramadã. Ele também pediu que pessoas permaneçam "calmas e atentas".

"Ainda não sabemos todos os detalhes, mas isto é claramente um ataque deliberado contra londrinos inocentes, muitos dos quais estavam terminando suas orações durante o mês sagrado do Ramadan", ele disse.

"Enquanto isto aparenta ser um ataque a uma comunidade específica, como os terríveis ataques em Manchester, Westminster e London Bridge, também é um atentado contra todos nossos valores compartilhados de tolerância, liberdade e respeito".

O secretário-geral do Conselho Muçulmano da Grã-Bretanha, Harun Khan, tuitou que a van "intencionalmente atropelou os fieis" e que ele estava "chocado e indignado".

Em um comunicado, o conselho acrescentou que o incidente foi uma "manifestação violenta de islamofobia" e pediu mais segurança ao redor das mesquitas.

Esse é o quarto ataque nos últimos três meses no Reino Unido chamado de "atentado terrorista" pelas autoridades. O primeiro ocorreu em março, quando um homem avançou contra pedestres na ponte de Westminster, em Londres; na ocasião, cinco pessoas morreram.

O segundo incidente aconteceu em maio em Manchester, quando um homem-bomba se explodiu após o show da cantora pop americana, Ariana Grande, deixando 22 mortos; e o terceiro, este mês, foi o ataque na London Bridge, realizado por três homens armados com facas, que deixou sete mortos e 48 feridos.

Vídeo: Novo atentado em Londres deixa um morto e 10 feridos (Via AFP) 

A SEGUIR
A SEGUIR

Vídeo: Terrorista em Londres: 'Vou matar todos muçulmanos' (Via EFE) 

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de BBC Brasil

image beaconimage beaconimage beacon