Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Jantar de gala em Paris para comemorar Independência do Brasil gera indignação

Logotipo do(a) RFI RFI 13/05/2022 Paloma Varón
© Reprodução

No início da noite desta sexta-feira (13), uma centena de franceses e brasileiros se reuniram em uma noite de gala Hotel InterContinental de Paris para celebrar o bicentenário da Independência do Brasil com um jantar de adesão que custou € 210 (cerca de R$ 1.110) por pessoa. Membros do grupo Alerta França Brasil foram protestar e entregaram uma carta ao embaixador do Brasil na França.   

O convite era claro: "Noite de Gala Franco-Brasileira por Ocasião do Bicentenário da Independência do Brasil, sob o patrocínio de Luiz Fernando Serra, embaixador do Brasil na França..." e a ele se seguiam nomes de nobres franceses, das associações Liens Hors Frontières (algo como Laços sem Fronteiras) e Le Lys de France (Lírio da França, sendo que o lírio é um símbolo da monarquia francesa). 

Apesar disso, o embaixador Luiz Fernando Serra disse à RFI não ser anfitrião do evento: "Ontem comemoramos o bicentenário da Independência com um concerto na Embaixada. Hoje, estamos comemorando com este jantar de gala, que é uma iniciativa da associação Liens Hors Frontières. Eu sou convidado. Eu sou o único que não paga o jantar aqui. Não é minha iniciativa  — é por ocasião do bicentenário — e não tem dinheiro público envolvido aqui", frisou o embaixador.

Dois membros do pequeno grupo que protestava pacificamente em frente ao hotel conseguiram ter acesso ao salão Opéra, onde aconteceu o coquetel, primeira etapa da noite de gala, ao som de bossa nova.

A responsável por questões da América Latina para o Parti de Gauche (Partido de Esquerda) francês, Florence Poznanski, foi uma das que conseguiu entrar por alguns minutos na festa privada e teve acesso ao embaixador, junto com a historiadora Marcia Camargos, do Alerta França Brasil. Elas entregaram ao embaixador um envelope com uma carta aberta que questionava a iniciativa e mostrava as contradições deste jantar de mais de mil reais com "o desemprego, a fome, a miséria que grassam sob a gestão de seu chefe". 

Elas questionaram o embaixador sobre o porquê de se comemorar o bicentenário da Independência (em 7 de setembro de 1822) no dia da Abolição da Escravatura (Com a Lei Áurea, em 13 de maio de 1888) em uma festa em que só havia pessoas brancas. 

Ao ser questionado por Florence o porquê de não haver afrodescendentes no salão nobre, Serra disse que só uma pessoa poderia ser convidada: "Eu sou o embaixador do Brasil, não de uma raça. A escolha foi deles, eles não sabiam que era o dia da Abolição da Escravatura, mas é mais um dia para festejar", disse Luiz Fernando Serra.

"A senhora venha da próxima vez com um afrodescendente. Venha à Embaixada e vamos conversar sobre isso, mas venha com um afrodescendente. Não sei se a senhora sabe, mas o meu bisavô foi abolicionista", encerrou Serra. 

Após saírem do salão, elas deram entrevistas à RFI para explicar o ato. 

"Minha presença aqui é pela indignação de como se reproduzem as opressões a partir da ignorância e do desprezo. Nós podemos até acreditar que a escolha do dia 13 de maio foi por acaso, pois trata-se de uma festa comercial, mas, se for isso, é lamentável. Inclusive porque o embaixador, que representa a República brasileira, não pode desconhecer a importância desta data", explicou Florence. 

"Além disso, convidar pessoas brancas unicamente e depois dizer que infelizmente os negros não puderam pagar porque o valor é muito alto e só ele poderia ser convidado é um desprezo muito grande com a maneira como se deve pensar a cidadania. E a gente vê muito bem neste governo Bolsonaro como esse racismo estrutural se reproduz através dessas ações. Nosso papel aqui é levantar essa voz. Temos que continuar porque estamos às vésperas de uma eleição super importante no Brasil e temos que elevar a voz dessas pessoas que foram oprimidas durante os quatro anos de governo Bolsonaro", concluiu.

A historiadora Marcia Camargos, do Alerta França Brasil, questionou o que tinham a comemorar com a situação do Brasil e por que comemorar o bicentenário, quatro meses antes, justamente no dia da Abolição. "Ele me falou que era uma ótima coincidência, pois hoje é uma data festiva, o Dia da Abolição. Eu perguntei se o dia mais importante para os negros não seria o 20 de novembro, dia da morte de Zumbi dos Palmares, e ele disse que não, que a princesa isabel era uma figura histórica de muito mais importância que Zumbi dos Palmares", relatou, após ter falado com o embaixador.

"Evidentemente era uma festa de brancos, da elite e da aristocracia. Em resumo, foi uma festa de brancos e nobres celebrando o bicentenário da Independência quatro meses antes, no dia 13 de maio. Eu tive a oportunidade de entregar em mãos a carta com estes questionamentos", disse Marcia. 

MAIS DE RFI

image beaconimage beaconimage beacon