Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Promotores acusam formalmente brasileiro ex-presidente da Nissan Carlos Ghosn

Logotipo do(a) Estadão Estadão 10/12/2018
© Foto: Divulgação

Baixe o app Microsoft Notícias e fique atualizado sobre as notícias mais importantes para você. Disponível para iOS e Android.

O brasileiro ex-presidente do conselho da Nissan Carlos Ghosn terá, segundo informou imprensa japonesa, sua detenção aumentada, após promotores acusarem formalmente o executivo ao processo de violações à lei de instrumentos financeiros. Ele está preso desde 19 de novembro.

Além disso, a Securities and Exchange Commission (SEC) disse que apresentou queixas criminais contra Ghosn e outro executivo da Nissan, Greg Kelly. Um oficial da comissão falou, na segunda-feira, que a Nissan, Ghosn e Kelly são suspeitos por falsificações de milhões de dólares em rendas de Ghosn. No Japão, uma empresa pode ser processada por irregularidades. 

Os promotores afirmam que Ghosn é suspeito por sonegar sua renda em 5 bilhões de ienes, cerca de 44 milhões de dólares, por cinco anos. As alegações reportadas nesta segunda poderiam aumentar o montante em 4 bilhões de ienes (cerca de 36 milhões de dólares ou R$ 173 milhões).

Esta atitude por parte dos promotores era esperada porque o período de detenção permitido pelas alegações feitas anteriormente terminava nesta segunda. Kelly, de 62 anos, é suspeito de ter colaborado com Ghosn. O advogado de Kelly nos Estados Unidos diz que seu cliente é inocente. Ghosn, de 64 anos, não comentou. Ambos perderam seus respectivos cargos na Nissan após suas prisões.

Ghosn foi enviado para a Nissan pela parceira da empresa Renault SA, da França, em 1999. Ele liderou uma reviravolta dramática da montadora japonesa, que estava quase falida. Mas o contracheque de Ghosn chamou atenção de executivos pelo alto valor já que executivos no Japão costumam receber bem menos que suas contrapartes internacionais.

Apenas os advogados de Ghosn e oficiais das embaixadas do Líbano, França e Brasil, País de origem, foram permitidos a realizar visitas. / AP

________

Vídeo: Pânico em boate termina com seis mortos na Itália (Via AFP)

A SEGUIR
A SEGUIR


Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon