Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Rússia diz que Trump usa 'retórica da Guerra Fria' em Cuba

Logotipo do(a) Notícias ao Minuto Notícias ao Minuto 6 dias atrás Folhapress
Rússia diz que Trump usa 'retórica da Guerra Fria' em Cuba: Em comunicado, o ministério russo afirmou que as ações anunciadas por Washington "são lamentáveis" e que se solidariza com Havana © Reuters Em comunicado, o ministério russo afirmou que as ações anunciadas por Washington "são lamentáveis" e que se solidariza com Havana

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia afirmou neste domingo (18) que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está "devolvendo a retórica esquecida da Guerra Fria" ao revogar em parte os acordo de aproximação com Cuba e atacar verbalmente os líderes da ilha caribenha.

Em comunicado, o ministério russo afirmou que as ações anunciadas por Washington "são lamentáveis" e que se solidariza com Havana.

Na sexta-feira (16), Trump disse estar "cancelando" o acordo com Cuba firmado por seu antecessor, Barack Obama, e afirmou que os EUA não vão ficar quietos diante da "opressão comunista".

No discurso, Trump anunciou medidas como restrições para viagens de americanos a Cuba e a proibição de transações comerciais entre empresas americanas e entidades militares cubanas.

Apesar do presidente norte-americano prometer durante a sua campanha eleitoral melhorar as relações com Moscou, ainda não houve mudança significativa na cooperação entre os dois países. Na semana passada, o Senado dos EUA votou pela aprovação de novas sanções contra a Rússia.

A Rússia mantém laços estreitos com Havana e, em março, assinou um acordo para enviar petróleo a Cuba.

EMBAIXADAS ABERTAS

Apesar do discurso incisivo de Trump, a maior parte do acordo de Obama ficou intacta. As relações diplomáticas entre os dois países serão mantidas. As embaixadas em Washington e Havana seguirão abertas, e os EUA continuarão a ter apenas um encarregado de negócios, e não um embaixador, em Cuba.

As remessas e viagens de cubano-americanos tampouco serão afetadas.Agressivo, o presidente americano chamou o governo de Raúl Castro de "brutal" e disse que o regime "comete crimes a serviço de uma ideologia depravada".

Em dezembro de 2014, Obama anunciou o acordo de reaproximação entre Cuba e EUA, 53 anos após os dois países terem rompido relações diplomáticas. Oito meses depois, foi reaberta a embaixada americana em Havana, e no final de 2016, pousou na capital cubana o primeiro voo comercial regular entre os dois países. Com informações da Folhapress.

Mais do Notícias ao Minuto

image beaconimage beaconimage beacon