Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Uso da força será necessário na Venezuela, diz Eduardo Bolsonaro

Logotipo do(a) Exame.com Exame.com 22/03/2019 Tamires Vitorio
Eduardo Bolsonaro: "o Brasil não quer uma guerra. Guerra é ruim" © La Tercera Eduardo Bolsonaro: "o Brasil não quer uma guerra. Guerra é ruim"

São Paulo — O deputado Eduardo Bolsonaro, em uma entrevista realizada nesta sexta-feira (22) ao jornal chileno La Tercera, afirmou que “o uso da força será necessário em determinado ponto”, apesar de o Brasil não “querer uma guerra”.

“Guerra é ruim. Vidas são perdidas e existe todo um problema de efeitos colaterais, mas Maduro não deixará o poder de forma pacífica e, em algum momento, o uso da força será necessário. Ele sabe que assim que sair do poder, irá para a cadeia”, disse.

O parlamentar disse, ainda, que “todas as opções estão na mesa”, quando questionado sobre a possibilidade de intervenção militar na Venezuela, levantada por repórteres durante a visita de Jair Bolsonaro aos Estados Unidos.

“Sabemos que o regime autoritário de Nicolás Maduro utiliza muito a força, a tortura, a prisão política e teremos que ter em mente que não estamos lidando com um democrata, aberto a ideias diferentes, mas sim com um homem que está vendo sua população morrer de fome e continua querendo poder. Então, sim, todas as opções estão na mesa”, completou.

“Chávez, por exemplo, iniciou um processo de desarmamento durante seu governo exatamente para ficar confortável e usar as armas contra o povo venezuelano”, completou. 

Para Eduardo Bolsonaro, a crise na Venezuela só poderá ser resolvida com a ajuda das forças armadas do país, pois se trata da única forma “pacífica” de retirar Maduro do poder.

Se alguma atitude militar acontece, Maduro se colocará como vítima e dirá que a democracia está sendo atacada e muitos outros políticos repetirão este discurso. Acredito que será uma medida tomada pelos próprios venezuelanos, não há tempo ou medida certa. O pior que pode acontecer é Maduro continuar no poder porque, diariamente, as pessoas estão morrendo.”

O deputado também citou a situação que os venezuelanos passam na fronteira e que muitos afirmam que saíram do país presidido por Maduro porque “não havia mais cachorros e nem gatos para comer”. “Onde acontecem situações como essa, não existe mais democracia”, afirmou. 

Eduardo Bolsonaro está no Chile porque seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, está visitando o país para realizar reuniões com políticos chilenos e outros líderes da América do Sul.

Nesta sexta-feira (22), Sebastian Piñera, o presidente do Chile, anunciou a criação do bloco Prosul, que pretende coordenar os países sul-americanos “sem burocracia excessiva”, em uma reação ao grupo Unasul e sua posição sobre a crise venezuelana.

Eduardo também viajou com o pai para os Estados Unidos e esteve presente no encontro de Bolsonaro com o presidente americano Donald Trump.

Assista, na íntegra, a entrevista de Eduardo Bolsonaro

Repetir vídeo

Veja as notícias mais importantes do dia no seu celular com o app Microsoft Notícias. Disponível para iOS e Android. Baixe agora.

Mais de Exame.com

image beaconimage beaconimage beacon