Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Principais notícias

Zuckerberg faz ‘textão’ para criticar políticas de Trump

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 17/02/2017 Diego Braga Norte
Zuckerberg falou grosso e falou muito: textão de 22 páginas: Mark Zuckerberg © image/jpeg Mark Zuckerberg

O fundador e CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, utilizou nesta quinta-feira um ‘textão’ para criticar as políticas defendidas pelo presidente americano Donald Trump. “Há movimentos para acabar com a conexão global”, escreveu Zuckerberg fazendo referência às políticas antiglobalização de Donald Trump.

O Facebook e outras empresas de tecnologia estão na berlinda desde que Trump assumiu a Casa Branca. Muitas companhias apoiaram abertamente a candidata democrata derrotada Hillary Clinton e se manifestaram contra as políticas anti-imigração de Trump. Há ainda uma preocupação crescente de que as políticas do atual governo federal enfatizem o protecionismo e priorizem velhas tecnologias.

O ‘textão’, popular forma de manifestação/reclamação na rede social, tem 22 páginas e faz uma ampla defesa da abertura econômica e da comunidade global. “Há dúvidas se podemos criar uma comunidade global que funcione para todos, e se o caminho a seguir é conectar mais ou reverter o curso.” Zuckerberg parece estar falando diretamente para aqueles que podem se sentir desprotegidos à luz do surgimento de novas tecnologias. “As melhores soluções para melhorar o discurso podem vir de conhecer uns aos outros como pessoas inteiras, em vez de apenas opiniões — algo que o Facebook pode ser especialmente adequado para fazer.”

Notícias falsas — O fundador do Facebook também comentou sobre as notícias falsas que são compartilhadas pela rede social. “Nossa abordagem se concentrará menos na proibição da desinformação, e mais na divulgação de perspectivas e informações adicionais, incluindo aqueles verificadores que questionam a precisão de um item”, escreveu ele. O Facebook foi duramente criticado durante as eleições americanas por facilitar a disseminação de notícias falsas e mentiras.

Zuckerberg termina seu manifesto com um aceno para o futuro. “O Facebook é um trabalho em desenvolvimento, e estamos dedicados a aprender e melhorar”, escreveu ele. “Levamos a sério a nossa responsabilidade e hoje quero falar sobre como planejamos fazer a nossa parte para construir a comunidade global”.

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon