Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

OAB tem audiência com Fachin e discutirá sábado se pede impeachment

Logotipo do(a) Estadão Estadão 19/05/2017 Breno Pires e Rafael Moraes Moura, de Brasília

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) convocou uma sessão extraordinária de seu Conselho Federal para o próximo sábado (20) a fim de discutir a possibilidade de pedir o impeachment do presidente da República, Michel Temer (PMDB). O presidente da OAB, Claudio Lamachia, teve audiência com o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), na noite desta quinta-feira (18), e obteve do ministro a informação de que será possível analisar os conteúdos do acordo de colaboração dos irmãos Wesley e Joesley Batista, donos da JBS e da holding J&F.

Dizendo-se "estarrecido com os fatos que estão sendo noticiados", Lamachia justificou a necessidade de os 83 conselheiros da OAB analisarem o material completo antes de tomar tal posição. "Tivemos a confirmação do ministro Fachin, na conversa, que ele reiterou que mandou levantar o sigilo no fim da tarde", disse o presidente da OAB.

A decisão da ordem deve sair sábado, segundo Lamachia. "Imagino que sim. Pelos elementos que temos, nós teremos uma definição do Conselho Federal, a partir das provas, a partir do exame técnico do que se irá ter no sábado. A partir do levantamento do sigilo, eu imediatamente fiz a convocação", disse. "Agora vamos ver quais vão ser os dedobramentos em cima de tudo isso", comentou.

Lamachia disse que convocou a sessão extraordinária do Conselho Federal "para apreciar todos esses fatos que estão denunciados, todas as situações que estão postas neste processo, e avaliaremos o pedido de impeachment".

O presidente da OAB também disse não ser possível, nesse momento, fazer alguma comparação entre a situação atual e a que motivou o posicionamento da ordem pró-impeachment de Dilma Rousseff.

"Tenho dificuldade agora de traçar um paralelo e diferenças sobre uma situação e outra porque ainda não examinamos toda a gama de provas. A partir do momento que a ordem examine e se posicione, eventualmente, sobre um eventual pedido de impeachment, aí poderemos traçar um paralelo", disse.

"O papel da OAB é um papel que tem como fundamental a defesa da constituição federal, a defesa dos institutos jurídicos e das leis e é isso que vamos fazer", encerrou.

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon