Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Principais notícias

Propina de refinaria custeou obra do tríplex, diz Léo Pinheiro

Logotipo do(a) VEJA.com VEJA.com 21/04/2017 hugocesarmarques
Léo Pinheiro e João Vaccari Neto © image/jpeg Léo Pinheiro e João Vaccari Neto

O empresário Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, revelou em seu depoimento ao juiz Sérgio Moro nesta quinta-feira que o valor do tríplex que a OAS reformou para o ex-presidente Lula no Guarujá (SP) foi compensado com propina da Refinaria de Abreu e Lima, em Pernambuco, conhecida como Refinaria do Nordeste (RNEST). Ele diz que teve vários encontros com Paulo Okamotto e com João Vaccari Neto para saber como “formalizariam” os documentos para transferir o apartamento para Lula e como seria paga a diferença, já que inicialmente o apartamento tinha 80 metros quadrados e a proposta mudou para um tríplex de 240 metros quadrados.

Conforme o empreiteiro, Okamotto e Vaccari sempre pediam para esperar não apresentavam uma solução definitiva. “Mas a reforma já tinha sido feita e gasta. Eu avisei ao João Vaccari, o investimento já estava feito, um investimento muito alto. O lucro daquele empreendimento praticamente o estava indo embora na reforma que estava fazendo num apartamento só, de cento e tantos apartamentos”, disse Léo Pinheiro. A solução, então, foi encontrada: “A OAS Empreendimentos não teve prejuízo na reforma porque foi paga através da RNEST, da obra da Petrobras, do encontro de contas dela e de outras obras”, afirmou ele.


Segundo Léo Pinheiro, o tríplex passou a pertencer a Lula no momento em que a OAS assumiu as da Bancoop, a cooperativa habitacional dos bancários de São Paulo. “Já me foi dito que era do presidente Lula e de sua família, que eu não comercializasse e tratasse aquilo como uma coisa de propriedade do presidente”, disse ele.

O empreiteiro também foi questionado no interrogatório sobre a origem dos recursos para a reforma do tríplex. “Eu usei valores de pagamentos de propina para poder fazer um encontro de contas, ao invés de pagar x, paguei x menos despesas que entraram no encontro de contas. Não saiu caixa, houve apenas o não pagamento do que era devido”, disse ele. “Quando dona Marisa e o presidente estiveram no apartamento, e nós fizemos o projeto, eu levei para Vaccari e isso fez parte de um encontro de contas com ele. Vaccari me disse naquela ocasião que como se tratavam de compromissos pessoais, ele iria consultar o presidente. Voltou pra mim e disse: ‘você pode fazer o encontro de contas’. Então, sem dúvida se ele [Lula] sabia ou não, claro que ele sabia”.

O advogado de Lula, Cristiano Zanin Martins, rebateu as acusações do empreiteiro. Segundo o defensor, Léo Pinheiro mentiu no depoimento a Moro. “O que nós vimos hoje foi uma encenação, uma mentira contada pelo senhor Léo Pinheiro, que está negociando uma delação premiada. Mas a declaração dele jamais vai se sobrepor ao depoimento prestado por 73 testemunhas e diversos documentos que estão no processo e que demonstram de uma forma cabal que o apartamento não é do ex-presidente Lula e que ele não teve qualquer participação em ilícitos da Petrobras. A declaração do Léo Pinheiro é uma mentira. Ele não tem como provar e é uma mera declaração de uma pessoa que negociou uma versão com o Ministério Público.”

Arquivado em:Brasil, Política

Mais de Veja.com

image beaconimage beaconimage beacon