Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Temer queria se candidatar em 2018 antes da delação da JBS

Logotipo do(a) Notícias ao Minuto Notícias ao Minuto 6 dias atrás Notícias Ao Minuto
'Estrago é grande', diz assessor de Temer sobre denúncias: Planalto emitiu nota na noite desta quarta-feira (17) após divulgação de informações que podem comprometer o ex-presidente © Reuters Planalto emitiu nota na noite desta quarta-feira (17) após divulgação de informações que podem comprometer o ex-presidente

Por essa, Michel Temer não esperava. A bomba que a JBS jogou no Planalto explodiu as pretensões políticas do presidente, que esperava que o sucesso da reforma da Previdência viabilizasse seus planos de se reeleger em 2018, de acordo com a colunista Mônica Bergamo, do jornal Folha de S. Paulo. "Estarei no segundo turno", disse Temer a interlocutores próximos dias antes da delação da JBS. Temer acreditava que, com a reforma aprovada na Câmara, a economia iria acelerar no próximo ano e sua popularidade alavancaria.

Leia também: Eleição direta ou indireta? Os cenários da possível queda de Temer

Ainda segundo a colunista, Joesley Batista era frequentador assíduo da residência oficial de Temer, bem como de sua casa em São Paulo. Contudo, vale ressaltar que o presidente foi enquadrado na lei Ficha Limpa, em maio de 2016, por unanimidade pelo plenário do Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) por ter feito doações ilegais para as campanhas de 2014 de dois candidatos a deputado federal do seu partido, o PMDB, no Rio Grande do Sul. Com isso, Temer ficou inelegível por oito anos a partir da data da condenação, mas é preciso que um juiz sentencie sua inegibilidade, conforme a assessoria do presidente disse em nota. "Só a Justiça pode declarar alguém inelegível. Qualquer manifestação neste sentido é especulação e precipitação", afirmou o comunicado.

Mais do Notícias ao Minuto

image beaconimage beaconimage beacon