Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Em nota oficial, PSG admite práticas racistas nas categorias de base

Logotipo do(a) LANCE! LANCE! 5 dias atrás LANCE!
Nasser Al-Khelaifi, dono do clube (Foto: THOMAS SAMSON / AFP) © Fornecido por Areté Editorial S/A Nasser Al-Khelaifi, dono do clube (Foto: THOMAS SAMSON / AFP)

Nesta quinta-feira, o Paris Saint-Germain admitiu que priorizava franceses e brancos na hora de fechar contratos com jogadores da categorias de base. O caso veio à tona nos documentos do "football Leaks", divulgados pelo jornal francês Mediapart.

De acordo com o portal, o PSG dividia seus jogadores em quatro categorias: 'francês', 'magrebino (norte-africano)', 'africano' e 'das Antilhas'. Entre 2013 e 2018, período em que a prática racista esteve em andamento, o responsável pelo setor era Marc Westerlopp. Apenas um atleta negro foi contratado neste intervalo de cinco anos.

- O Paris Saint-Germain confirma práticas ilegais cometidas pelo sistema de recrutamento do seu centro de treinamento, dedicados a atletas de fora da França. Essas práticas são de responsabilidade exclusiva do chefe deste departamento. A direção geral do clube nunca teve conhecimento de um sistema de registro étnico dentro de um departamento de recrutamento, nem possuía um. Essas práticas traem o espírito e os valores do PSG - diz o comunicado oficial emitido pelo clube.

Marc Westerloppe, olheiro do Paris Saint-Germain e responsável pela chegada de vários jovens jogadores ao clube francês, afirmou na época que recebeu orientação para equilibrar a 'diversidade', já que haviam muitos jogadores africanos e das Antilhas no elenco, e que a diretoria queria mais franceses.

Mais de Lance!

image beaconimage beaconimage beacon