Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Principais notícias

Após atritos com Maia, Bolsonaro participa de agenda positiva no Planalto

Logotipo do(a) Estadão Estadão 25/03/2019 Julia Lindner e Anne Warth



BRASÍLIA - Em busca de agenda positiva para o governo, o presidente Jair Bolsonaro participou, na tarde desta segunda-feira, 25, de cerimônia de assinatura dos contratos de concessão do leilão de transmissão de Energia Elétrica, no Palácio do Planalto. O evento é apenas uma formalidade, já que o leilão aconteceu no dia 20 de dezembro, antes mesmo da posse de Bolsonaro.

Na cerimônia, o presidente afirmou que o leilão, realizado ainda na gestão do ex-presidente Michel Temer, foi resultado direto das ações sinalizadas pelo seu governo.

Na disputa realizada no ano passado, 16 lotes foram leiloados, com deságio médio de 46%. O leilão vai viabilizar R$ 13,2 bilhões e 28 mil empregos diretos, segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Foram licitadas 55 linhas de transmissão, com 7.152 km de extensão e 25 subestações em 13 Estados.

"Todos os 16 lotes tiveram propostas, ao contrário do que ocorreu em leilões anteriores. O sucesso desse leilão é resultado direto das ações sinalizadas pelo nosso governo, buscando maior liberdade econômica e alcançando o capital privado para atuar no mercado de infraestrutura", disse Bolsonaro na cerimônia. A Aneel abriu audiência pública para discutir os detalhes do leilão no dia 4 de setembro. O edital foi aprovado no dia 13 de novembro.

Nesta segunda, o presidente afirmou que a sua gestão tem um viés "pró-mercado" e busca trazer iniciativas do setor privado. Em meio as divergências com o Congresso, também defendeu brevemente a reforma da Previdência como forma de "facilitar o equilíbrio das contas públicas". "É o Brasil voltando a crescer. Ainda temos muito a avançar. Vamos em frente, Brasil acima de tudo, Deus acima de todos", concluiu com o slogan da campanha.

Críticas

Bolsonaro aproveitou, em sua fala, para criticar o governo da ex-presidente Dilma Rousseff, sem citá-la diretamente. Ele mencionou a redução na tarifa de energia elétrica, em 2012, que acabou acarretando perdas para o setor nos anos seguintes. Além disso, a medida, associada a uma crise hídrica, levou a um reajuste de 50% nas tarifas em 2015.

"No meu governo sempre procuramos manter viés pró-mercado e trazer investimentos do setor privado na economia", emendou Bolsonaro. No início do discurso, ele também destacou que é preciso ter "responsabilidade, progresso e confiança acima de tudo".

Além de Bolsonaro, participaram da cerimônia no Palácio os ministros da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, de Minas e Energia, Bento Albuquerque, da Economia, Paulo Guedes, e da Secretaria de Governo, Alberto Santos Cruz.

Desde cedo, o presidente mantém agenda intensa de reuniões com ministros e autoridades com o intuito de afinar o discurso e garantir apoio para a reforma da Previdência no Congresso. Pela manhã, definiu que é preciso manter foco total na reforma e pediu que os ministros o ajudem a "pacificar" a relação com a Câmara, após desavenças com o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Vídeo: Justiça ordena a libertação de Michel Temer 

Veja as notícias mais importantes do dia no seu celular com o app Microsoft Notícias. Disponível para iOS e Android. Baixe agora.

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon