Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Principais notícias

Após deixar comando do Exército, Villas Bôas vira consultor do GSI

Logotipo do(a) Estadão Estadão 11/01/2019 Julia Lindner e Felipe Frazão
O general Villas Bôas e o presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de transmissão do cargo para o novo comandante do Exérciuto, o general Edson Leal Pujol © Dida Sampaio/Estadão O general Villas Bôas e o presidente Jair Bolsonaro durante cerimônia de transmissão do cargo para o novo comandante do Exérciuto, o general Edson Leal Pujol

BRASÍLIA - Após quatro anos no comando do Exército, o general Eduardo Villas Bôas vai assumir função de assessor especial do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), no Palácio do Planalto. Ele deve iniciar o novo trabalho a partir de fevereiro. O convite foi feito pelo ministro da pasta, Augusto Heleno, que também é general da reserva e amigo pessoal de Villas Bôas, que confirmou a informação pelo Twitter.

A ideia é que o general use sua experiência para ajudar na resolução de problemas do governo e atue como uma espécie de consultor de Heleno, que, por sua vez, é visto como um dos principais conselheiros do presidente Jair Bolsonaro.

Tecnicamente, o GSI é responsável pela segurança do presidente e ações de inteligência e estratégia do governo. Na prática, a pasta ganhou ainda mais força na atual gestão, já que Heleno exerce influência em decisões estratégicas do governo Bolsonaro em diversas áreas.

Villas Bôas também possui boa relação com Bolsonaro. Hoje, durante a cerimônia de transmissão do cargo para o novo comandante Edson Leal Pujol, ele se emocionou e recebeu um abraço do presidente da República. Em seu discurso, disse que Bolsonaro “tirou o Brasil da amarra ideológica que sequestrou o livre pensar”.

“O senhor traz a necessária renovação e a liberação das amarras ideológicas que sequestraram o livre pensar e nublaram o discernimento e induziram a um pensamento único e nefasto como assinala o jornalista americano Walter Lippmann: ‘Quando todos pensam da mesma maneira é porque ninguém está pensando’”, afirmou no discurso, que foi lido pelo mestre de cerimônia.

No início do ano, logo após assumir a Presidência, Bolsonaro agradeceu ao trabalho de Villas Bôas e disse que ele é um dos responsáveis por sua eleição. “O que nós conversamos fica entre nós. O senhor é um dos responsáveis por eu estar aqui”, afirmou o presidente, durante a cerimônia de transmissão de cargo no Ministério da Defesa.

Vídeo: Maduro chama Bolsonaro de 'fascista' durante posse 

A SEGUIR
A SEGUIR

Veja as notícias mais importantes do dia no seu celular com o app Microsoft Notícias. Disponível para iOS e Android. Baixe agora.

Em abril do ano passado, Villas Bôas se envolveu em uma polêmica ao fazer, na véspera do julgamento de um habeas corpus do ex-presidente Lula no Supremo Tribunal Federal (STF), um post no Twitter repudiando a “impunidade” e dizendo que o Exército estava “atento às missões institucionais”.

Mais de Estadão

image beaconimage beaconimage beacon