Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Bolsonaro vê ‘equívoco’ de Decotteli, mas exalta ‘honradez’ do novo ministro

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 30/06/2020 Maurício Ferro
Bolsonaro e o novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli © Marcos Corrêa/PR Bolsonaro e o novo ministro da Educação, Carlos Alberto Decotelli

O presidente Jair Bolsonaro publicou mensagem enigmática depois de reunião com Carlos Alberto Decotelli Silva nesta 2ª feira (29.jun.2020). O novo ministro da Educação, nomeado na última 5ª feira (25.jun), foi acusado nos últimos dias de mentir em seu currículo e de plagiar em sua dissertação de mestrado.

Bolsonaro citou “inadequações curriculares” e disse que Decotteli “está ciente de seu equívoco“, e que “não pretende ser 1 problema para a sua pasta“.

Desde quando anunciei o nome do professor Decotelli para o Ministério da Educação só recebi mensagens de trabalho e honradez. Por inadequações curriculares, o professor vem enfrentando todas as formas de deslegitimação para o Ministério. O Sr. Decotelli não pretende ser um problema para a sua pasta (Governo), bem como, está ciente de seu equívoco. Todos aqueles que conviveram com ele comprovam sua capacidade para construir uma Educação inclusiva e de oportunidades para todos“, publicou o presidente.

A cerimônia de posse de Decotelli estava prevista inicialmente para ocorrer nesta 2ª feira (29.jun), mas o Planalto informou no início da tarde que não há data para isso ocorrer.

Decotelli é oficial da reserva da Marinha. Ele presidiu o FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação) de fevereiro a agosto de 2019. Nesse período, viu a CGU (Controladoria Geral da União) apontar suspeita de irregularidades em uma licitação de R$ 3 bilhões.

Desde que foi escolhido para comandar o MEC (Ministério da Educação), na última 5ª feira (25.jun.2020), vários questionamentos sobre seu passado surgiram. Eis abaixo uma relação:

As inconsistências no currículo de Decotelli chegaram a ser exaltadas pelo próprio presidente Jair Bolsonaro. Ele leu, em live na última 5ª feira (29.jun), a versão do currículo do novo ministro com os títulos posteriormente desmentidos. Assista abaixo (1min38seg):

Repetir vídeo

Decotelli foi escolhido para assumir o MEC com a missão de “pacificar” a pasta. Isso porque tinha extenso currículo, e seu antecessor, Abraham Weintraub, acumulou polêmicas com Legislativo e Judiciário.

Weintraub chamou os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) de “vagabundos“. Teve atritos com as universidades, tentou mudar o processo de escolha de reitores (mais de uma vez), gravou vídeo de guarda-chuva dentro do gabinete contra uma “chuva de fake news“, comandou 1 Enem (Exame Nacional de Ensino Médio) com erros de correções e teve que prestar depoimentos na Câmara e no Senado.

Ao informar sobre o substituto de Weintraub, o presidente Jair Bolsonaro escreveu nas redes sociais:

“Informo a nomeação do Professor Carlos Alberto Decotelli da Silva para o cargo de Ministro da Educação. Decotelli é bacharel em Ciências Econômicas pela UERJ, Mestre pela FGV, Doutor pela Universidade de Rosário, Argentina e Pós-Doutor pela Universidade de Wuppertal, na Alemanha.” 

_____________________

Vídeo: Casal armado ameaça manifestantes nos EUA (KameraOne)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon