Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Principais notícias

Centrão mirou em Maia e Bolsonaro ao atrapalhar reforma, dizem fontes

Logotipo do(a) Exame.com Exame.com 17/04/2019 Simone Iglesias e Marisa Castellani, da Bloomberg
Montagem com o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia © José Dias/PR/Marcelo Camargo Montagem com o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia

Líderes dos partidos de centro quiseram dar o troco no presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ao trabalharem pelo adiamento da votação da reforma da Previdência nesta quarta-feira, afirmaram três dirigentes que participaram das articulações.

Parlamentares se disseram insatisfeitos com a pressão de Maia sobre os partidos para votarem o texto nesta semana. Também reclamam que o presidente da Câmara não estaria cumprindo acordos, feitos nos bastidores, para que o projeto fosse modificado antes da votação.

Estes desacertos, segundo as três fontes que pediram anonimato, levaram os partidos a ameaçar derrubar, durante a reunião da CCJ desta manhã, o parecer de Marcelo Freitas (PSL) sobre a reforma.

Além de atingir Maia, partidos do centrão quiseram também mostrar sua força, dentro da Câmara, ao presidente Jair Bolsonaro em função das constantes críticas à atuação do Legislativo.

Um desses parlamentares disse que Maia tem preterido acordos políticos para atender a pressão do mercado financeiro e que a manobra bem-sucedida de hoje atinge a imagem do presidente da Câmara.

“Mercado perdeu a confiança no Maia, disse Luiz Eduardo Portella, sócio e gestor da Novus Capital. “Existia uma expectativa que Maia estava articulando para a reforma começar a andar.”

Procurado, Rodrigo Maia não respondeu de forma imediata aos pedidos de comentário da Bloomberg.

Quer receber as principais notícias do MSN Brasil pelo Facebook Messenger?
Inscreva-se agora.

Mais de Exame.com

image beaconimage beaconimage beacon