Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

MP-RJ intima Flávio Bolsonaro e sua mulher a prestarem depoimento

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 02/07/2020 Poder360
Flávio Bolsonaro é investigado por suposto esquema em seu gabinete quando foi deputado do Rio de Janeiro pelo PSL © Sérgio Lima/Poder360 Flávio Bolsonaro é investigado por suposto esquema em seu gabinete quando foi deputado do Rio de Janeiro pelo PSL

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e sua mulher, Fernanda Antunes Bolsonaro, foram intimados pelo MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) a prestar depoimento sobre o suposto esquema de “rachadinhas” no antigo gabinete de Flávio como deputado estadual.

A Promotoria quer ouvir o casal já na semana que vem: Fernanda na 2ª feira (6.jul) e Flávio na 2ª ou 3ª feira (7.jul), conforme disponibilidade do senador. As informações são do jornal O Globo.

A intimação partiu do Gaecc (Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção), que era o responsável pela investigação sobre supostos crimes de peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa cometidos de 2007 a 2018 no antigo gabinete do filho mais velho do presidente na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

Decisão proferida na semana passada pelo TJ-RJ( Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), no entanto, tirou o caso da 1ª Instância devido à prerrogativa de foro especial. Com isso, a investigação também subiu 1 degrau, passando a ser atribuição do grupo do procurador-geral de Justiça do RJ, José Eduardo Ciotola Gussem.

A intimação pelo Gaecc só foi possível porque a PGJ formalizou 1 termo de cooperação do grupo de promotores com o procurador-geral.

Flávio e Fernanda são suspeitos de terem se beneficiado das “rachadinhas”, que é a prática de tomar parte do salário dos funcionários. O operador do esquema seria Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio que é investigado desde maio de 2018, quando relatório produzido pelo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeira) chegou ao MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro). O documento indicava movimentações financeiras atípicas nas contas de Fabrício Queiroz. Somavam R$ 1,2 milhão, no período de janeiro de 2016 a janeiro de 2017.

Os valores, segundo as investigações, eram lavados por meio de operações imobiliárias, empreendimentos comerciais e até mesmo por meio do pagamento de despesas pessoais da família de Flávio Bolsonaro.

Ao pedir a prisão preventiva de Queiroz, a Promotoria relatou que o ex-assessor recebeu “centenas de depósitos” (a maior parte em dinheiro em espécie) no período de abril de 2007 a dezembro de 2018. Esses depósitos somam R$ 2.039.656,52. O ex-policial teria sacado nesse mesmo período a quantia de R$ 2.967.024,31. Os investigadores não souberam precisar a origem dessa diferença de mais de R$ 900 mil.

De acordo com os dados bancários obtidos por meio da quebra de sigilo autorizada pela Justiça, Queiroz fez depósito em espécie de R$ 25.000 na conta de Fernanda Bolsonaro, mulher de Flávio Bolsonaro. A Promotoria diz que o ato mostra que ele “transferia parte dos recursos para o patrimônio familiar” do agora senador.

A reportagem do Poder360 pediu manifestação da defesa de Flávio Bolsonaro sobre a intimação, mas não obteve resposta até o momento da publicação deste texto. O espaço segue aberto.

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon