Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

PF intima Paulo Marinho e chefe de gabinete de Flavio Bolsonaro a depor

Logotipo do(a) Poder360 Poder360 2 dias atrás Poder360
O empresário Paulo Marinho, suplente de Flávio Bolsonaro, em sessão de comissão no Congresso © Roque de Sá/Agência Senado O empresário Paulo Marinho, suplente de Flávio Bolsonaro, em sessão de comissão no Congresso

O empresário e suplente do senador Flavio Bolsonaro (Republicanos-RJ), Paulo Marinho, prestará depoimento na Superintendência da Polícia Federal no Rio de Janeiro na próxima 3ª feira (26.mai.2020), às 9h. Miguel Ângelo Braga Grillo, chefe de gabinete do congressista, também foi intimado. Falará na 4ª feira (27.mai), às 15h, na sede da Polícia Federal em Brasília (DF).

Ambos serão ouvidos com base no inquérito que investiga se o presidente Jair Bolsonaro interferiu indevidamente na PF. Em 17 de maio, Marinho afirmou que o filho 01 do presidente soube por 1 delegado que Fabrício Queiroz seria investigado na operação Furna da Onça –antes que ela fosse deflagrada.

O suplente do senador afirmou também que a investigação teria sido adiada para depois do 2º turno das eleições para não prejudicar Jair Bolsonaro.

Nesta semana, Marinho já prestou depoimento à Polícia Federal e ao Ministério Público. Na última ocasião, disse ter entregue provas às autoridades.

ENTENDA  A INVESTIGAÇÃO

O inquérito foi aberto depois que o ex-ministro de Justiça e Segurança Pública Sergio Moro afirmou estar se demitindo em protesto a possível interferência indevida do presidente Jair Bolsonaro na PF.

Em depoimento, o ex-juiz disse haver registros da solicitação na gravação da reunião ministerial de 22 de abril. O vídeo foi tornado público nesta 6ª feira (22.mai) pelo ministro do STF Celso de Mello.

No vídeo, o presidente anuncia que já tentou trocar “gente da nossa segurança no Rio de Janeiro” e acrescenta: “Não vou esperar foder a minha família toda”.

“Já tentei trocar gente da segurança nossa no Rio de Janeiro, oficialmente, e não consegui! E isso acabou. Eu não vou esperar foder a minha família toda, de sacanagem, ou amigos meu, porque eu não posso trocar alguém da segurança na ponta da linha que pertence a estrutura nossa. Vai trocar! Se não puder trocar, troca o chefe dele! Não pode trocar o chefe dele? Troca o ministro! E ponto final! Não estamos aqui pra brincadeira”, afirma.

ACESSO A CELULAR EM JOGO

Na 5ª feira (21.mai.2020), Celso de Mello pediu que a PGR (Procuradoria Geral da República) se manifeste sobre 3 notícias-crime relacionadas à investigação. O procedimento é de praxe. Partidos de esquerda fizeram o pedido ao STF, que consulta a PGR –responsável por propor investigações contra o presidente da República.

Entre as medidas solicitadas está a busca e apreensão do celular de Bolsonaro e de seu filho, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). A PGR vai analisar se aceita ou não os pedidos. Não há prazo definido para tomar a decisão.

Na 6ª feira, o ministro general Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) afirmou que, se a apreensão for efetivada, será uma “afronta à autoridade máxima do Poder Executivo e uma interferência inadmissível de outro Poder, na privacidade do Presidente da República e na segurança institucional do País”.

Mais tarde, o próprio Bolsonaro declarou que não entregará seu aparelho celular para perícia em caso de uma eventual ordem para fazê-lo por parte do ministro do STF.

_______________________________

Vídeo: Estudo descarta eficácia da cloroquina contra Covid-19 (AFP)

A SEGUIR
A SEGUIR

Mais de Poder360

image beaconimage beaconimage beacon