Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Embrapa desenvolve hambúrguer brasileiro sem carne

Logotipo do(a) Revista Planeta Revista Planeta 12/02/2020 Gilberto Costa | Agência Brasil
© Novo Burguer: versão criada no Brasil do hambúrguer sem carne. Crédito: Embrapa/Divulgação

Já está à venda em rede de supermercados no estado do Rio de Janeiro um hambúrguer que tem gosto tradicional, mas não é feito de carne animal. O “Novo Burguer”, no comércio há dois meses, é feito com fibra de caju, proteína de soja, cebola, tomate, pimentão, corante natural e temperos, e tem características sensoriais assemelhadas ao hambúrguer de carne.

O produto foi criado para pessoas batizadas como “flexitarianos” – indivíduos que, apesar de gostarem de carne, querem balancear a dieta e buscam reduzir o consumo desse produto. “São diferentes de vegetarianos ou veganos, que não gostam do sabor da carne e não querem alimentos que simulem a carne”, explica a engenheira de alimentos Janice Ribeiro Lima.

Lima é pesquisadora da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, a Embrapa, na unidade da estatal responsável por desenvolver agroindústria de alimentos, situada no Rio de Janeiro. Ela começou a criar alternativas para a carne em pesquisas iniciadas em 2007, quando ainda trabalhava na Embrapa do Ceará.

LEIA TAMBÉM: Maior parte da “carne” comida em 2040 não virá de animais mortos

Recheios substitutos

Janice Lima e as equipes de pesquisadores já desenvolveram outros produtos como o hambúrguer de fibra de caju e de feijão-de-corda para vegetarianos e também substitutos para rechear coxinha de galinha e bolinho de siri.

A pesquisadora explica que o objetivo do seu trabalho “não é que as pessoas parem de comer carne, mas dar mais uma opção”. Segundo ela, a produção de produtos com proteína vegetal pode ser menos onerosa que a proteína animal. Um caso especial é o do Novo Burguer, que utiliza o bagaço do caju, geralmente eliminado pela indústria de suco ou revendido para alimentação de animais.

Janice Lima não sabe o preço final de comercialização, mas assinala que o custo é maior do que o hambúrguer tradicional, que tem maior produção em escala, distribuição e venda. O produto é fabricado e comercializado pela Sottile Alimentos, empresa de Niterói (RJ), que tem acordo de cooperação com a Embrapa.

Mais de Revista Planeta

image beaconimage beaconimage beacon