Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Brasileiros querem dormir melhor, mas não conseguem. Por quê?

Logotipo do(a) Saúde é Vital Saúde é Vital 6 dias atrás Maria Tereza Santos
Apesar de considerarem sono importante para a saúde, boa parte da população não consegue dormir direito © Foto: Omar Paixão Apesar de considerarem sono importante para a saúde, boa parte da população não consegue dormir direito

Até pela proximidade com o Dia Mundial do Sono, a empresa de tecnologia Royal Philips encomendou uma pesquisa para mapear a percepção de 11 006 moradores de 12 países sobre a qualidade do próprio sono. Entre outras coisas, o levantamento revela que, apesar de 69% dos brasileiros acreditarem que dormir tem um impacto importante na saúde e no bem-estar, 36% reclamam de insônia recorrentemente.

Foram entrevistados moradores de Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Índia, Japão, Holanda, Cingapura, Coreia do Sul e Estados Unidos. Quando olhamos para o quadro global, 77% dos adultos reconhecem que o sono é essencial, mas 62% admitem que não dormem direito e somente 10% afirmam ter ótimas noites de repouso.

Metade de todos os entrevistados também acha que o descanso noturno é o fator mais importante para o bem-estar. Segundo esse pessoal, ele estaria na frente da alimentação (41%) e do exercício físico (40%).

Só que, de novo, caímos em uma aparente contradição: seis em cada dez voluntários se queixam de sonolência diurna pelo menos duas vezes por semana e 67% frequentemente acordam uma vez ou mais na madrugada.

“Esses dados sugerem que as pessoas estão despertando para a realidade de que o sono é fundamental. Mas, para a maioria delas, a qualidade ainda é algo fora do alcance”, comenta em comunicado à imprensa, o psicólogo Mark Aloia, líder global do departamento de Mudança de Comportamento, Sono e Cuidados Respiratórios na Philips.

O que atrapalha o relaxamento

Infelizmente, 44% dos entrevistados contam que seu sono piorou nos últimos cinco anos, enquanto apenas 26% dizem que melhorou e 31%, que não mudou em nada. Os aspectos mais citados que levam a esse cenário são ansiedade e estresse (54%), um local inadequado para dormir (40%), cronograma escolar ou profissional (37%) e problemas de saúde (32%).

No Brasil, um número significativo de indivíduos cita distrações com entretenimento como um complicador: 35% reportam que televisão, filmes e redes sociais afetam o descanso.

Três quartos dos entrevistados passam por pelo menos uma condição que impacta a hora de recarregar as energias, desde insônia até apneia. Entre os 10% dos portadores desse último problema, 65% não fazem tratamento.

Acontece que as consequências de menosprezar os distúrbios do sono não são poucas:

Repor sono no fim de semana não adianta

Recomenda-se que as pessoas durmam cerca de oito horas por dia. Entretanto, a média de tempo diária no mundo é de 6,8 horas nos dias úteis e 7,8 aos finais de semana.

Não à toa, 63% confessam que recuperam o sono perdido na semana aos sábados e domingos. No Brasil, além desse número ficar em 52%, 60% afirmam ter um horário diferente para dormir nos finais de semana.

E a ciência traz uma má notícia nesse sentido. Um estudo recente da Universidade do Colorado, nos Estados Unidos, sugere que hibernar nos fins de semana não compensa a falta de sono nos dias úteis – pelo menos quanto a certos indicadores de saúde.

Os cientistas americanos chegaram a essa conclusão depois de analisar 36 adultos que pernoitaram em laboratório por duas semanas. Os voluntários, entre 18 e 39 anos, foram divididos em três turmas.

A primeira deveria dormir nove horas durante nove noites. A segunda, chamada de “grupo restrito”, precisava dormir cinco horas por dia no mesmo período.

O restante do pessoal era obrigado a repousar por não mais do que cinco horas durante cinco dias seguidos. Já no fim de semana, poderia ficar na cama o quanto quisesse. Após esse período, esses voluntários passaram mais dois dias adormecendo por cinco horas.

Pois bem: os dois últimos grupos lancharam mais no decorrer da noite, ganharam peso e sofreram um aumento na resistência à insulina – um marcador ligado do diabetes tipo 2 –, quando comparados à turma que dormiu nove horas por dia.

Por mais que a tentativa de recuperar o sono no fim de semana tenha reduzido ligeiramente a ingestão de alimentos na madrugada nesses dias, tal benefício foi embora quando a restrição recomeçou.

Fora isso, o relógio biológico desses indivíduos foi afetado. Eles acabaram ficando acordados até mais tarde no domingo, apesar de terem que levantar cedo na segunda-feira.

O recado, portanto, é tentar criar um ritmo equilibrado de horas dormidas.

O caminho para conquistar uma boa noite de sono

De acordo com o pneumologista Teofilo Lee-Chiong, chefe do departamento de Contato Médico da Philips, os estudiosos da área ainda estão tentando entender esse desejo irrefreável de ficar acordado até tarde. Convenhamos: essa é uma marca da atualidade.

“Hoje, talvez pela primeira vez, as pessoas estão escolhendo dormir regularmente menos do que precisam por razões além da sobrevivência”, atesta o pneumologista.

Teofilo Lee-Chiong aponta que mudanças no horário de início das aulas, medidas de apoio à soneca no trabalho e o maior acesso a médicos ajudariam a atenuar as consequências adversas desse mau hábito.

Apesar dos resultados preocupantes, a pesquisa da Philips revela que a população tem demonstrado interesse em mudar. Ela só não sabe como fazer isso: 80% alegam querer melhorar a qualidade do sono, porém 60% não procuram ajuda profissional.

Mark Aloia alega que isso seria motivado pelo custo das consultas e pela falta de confiança no sistema de saúde para fornecer opções fáceis que levam a resultados reais.

“Se quisermos levar o sono a sério e abordar os aspectos sociais e emocionais relacionados à má qualidade dele, temos de começar a demonstrar que podemos abordar esses problemas de maneira fácil e significativa, apoiada pela ciência clínica sólida”, conclui o psicólogo.

Veja as notícias mais importantes do dia no seu celular com o app Microsoft Notícias. Disponível para iOS e Android. Baixe agora.

Mais de Saúde é Vital

image beaconimage beaconimage beacon