Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Estudo mostra como sexo oral pode estar relacionado com risco de aumento de câncer

Logotipo do(a) Hypeness Hypeness 13/01/2021 Redação Hypeness

Um estudo publicado na revista científica Cancer,  editada pela Sociedade Americana do Câncer, mostrou que a incidência de câncer de garganta está relacionada ao número de parceiros sexuais em que o paciente performou sexo oral. 

Segundo a pesquisa, os que fizeram sexo oral em mais de 10 pessoas ao longo da vida tem quatro vezes mais chances de desenvolver o câncer de garganta ou orofaríngeo. A causa da doença está relacionada ao HPV, o papilomavírus humano.

– Fazer sexo oral nas mulheres faz bem para a saúde, aponta estudo

© Yuri Ferreira

Cuidado no sexo oral com vários parceiros; proteção não é comum, mas é importante.

“Nosso estudo foi baseado em pesquisas anteriores para demonstrar que não é apenas o número de parceiros sexuais orais, mas também outros fatores não avaliados anteriormente que contribuem para o risco de exposição ao HPV por via oral e subsequente câncer orofaríngeo relacionado ao vírus”, afirma Virginia E. Drake, pesquisadora que comandou o trabalho.

– Produtor fala sobre cena de sexo oral explícito em série da HBO: ‘não queremos amenizar o que o pornô é’

As relações entre sexo oral e câncer orofaríngeo já haviam entrado no debate público após o ator Michael Douglas ter anunciado, em 2015, que seu tumor havia sido causado por excesso de sexo oral. Um estudo da UNESP de 2012 já mostrava que 32% dos portadores de câncer de garganta tinham HPV e que a incidência poderia estar relacionada ao sexo oral.

“Com a queda do consumo do tabaco, esperávamos diminuir a incidência e a mortalidade do câncer, mas houve uma mudança de perfil. Está caindo o número de cânceres relacionados ao tabaco, devido às campanhas de controle, mas estão aumentando os casos relacionados ao HPV”, afirmou, em 2015, o oncologista Luiz Paulo Kowalski, Diretor do Núcleo de Cabeça e Pescoço do Hospital A. C. Camargo, ao Estadão.

– O que os quadros de famosos fazendo sexo oral em mulheres nos fala sobre machismo?

A recomendação para quem não tem parceiro fixo e quer continuar praticando sexo oral de forma segura é utilizar uma proteção entre sua boca e o genital da pessoa. Pode ser uma camisinha de latex recortada, mas recomenda-se os dental dams, aquele lençol de látex usados por dentistas. Eles conseguem passar o calor e os movimentos na vulva e no ânus do seu parceiro e podem te manter seguro.

mais de Hypeness

image beaconimage beaconimage beacon