Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Médicos tiram dúvidas de seguidores nas redes sociais

Logotipo do(a) Revista Encontro Revista Encontro 26/03/2020 Alessandro Duarte
Médicos buscam tranquilizar pacientes à distância para que eles não busquem unidades de saúde sem necessidade © Pixabay Médicos buscam tranquilizar pacientes à distância para que eles não busquem unidades de saúde sem necessidade

Nesta semana, alguns médicos começaram a publicar em suas redes sociais um texto se colocando à disposição para tirar dúvidas de seus seguidores a respeito do novo coronavírus. A ideia é que as pessoas resolvam suas questões sem que precisem se dirigir a um pronto socorro ou hospital. A iniciativa, sem custo nenhum para quem está fazendo a pergunta, tem como objetivo evitar que o sistema de saúde fique saturado, ao manter em casas pessoas que não estejam precisando de atendimento de urgência.

"Queremos ajudar a evitar pânico", afirma José Roberto Melo, dono de uma clínica de medicina integrativa e pós-graduado em nutrologia e pós-graduando em endocrinologia. a gente fica vendo as notícias sobre a epidemia e acaba deprimido e com sintomas como insônia e ansiedade. O estado em que estamos gera muitos gatilhos. É nossa função tranquilizar as pessoas." Segundo José Roberto, até a última terça-feira (dia 24) todas as mensagens recebidas puderam ser resolvidas sem que houvesse a necessidade de encaminhar o seguidor para um hospital ou posto de saúde. A iniciativa tomou corpo após a homenagem prestada pelos brasileiros em quarentena a médicos e demais profissionais da saúde. De norte a sul do país, pessoas saíram nas janelas e aplaudiram os heróis que estão na linha de frente do combate à Covid-19.

O oftalmologista Bruno de Miranda Cordeiro, que atua em clínica e é professor da Faculdade de Ciências Médicas, também postou a mensagem em suas redes sociais. Ele explica que não se trata de uma consulta médica à distância, mas um tira-dúvidas para que se esvazie as salas de espera e, assim, a propagação da doença. "Uma pessoa me procurou porque estava com sintomas de gripe e recomendei que ela ficasse em observação e não procurasse um pronto socorro. Ela não estava na faixa etária de risco e não estava com sintomas graves. Então, essa é a recomendação." Nesse momento de apreensão, às vezes, tudo o que se precisa é de uma palavra tranquilizadora. E, claro, avalizada.   

Mais de Revista Encontro

Revista Encontro
Revista Encontro
image beaconimage beaconimage beacon