Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

10 dúvidas sobre silicone nos seios

29/06/2014 Madson Moraes

Dependendo da prótese de silicone, se não forem substituídas no momento correto podem se romper.

Colocar silicone é algo que toda mulher gostaria de ter para dar aquela levantada nos seios e melhorar a autoestima. Mas nenhuma prótese de mama dura para sempre. "Embora os especialistas não estipulem um prazo determinado para a troca, toda mulher que colocou silicone nos seios, inevitavelmente terá que voltar para a mesa de cirurgia algum dia", explica Alexandre Barbosa, cirurgião plástico da Clínica de Cirurgia Plástica de São Paulo (CCPSP).

Mas essa troca deve ser feita enquanto é tempo e o prazo de validade da prótese antiga ainda não venceu. O que acontece é que muitas mulheres só procuram o médico quando surge algum tipo de problema. "Na maioria das vezes, as próteses já estão rompidas e podem trazer danos à saúde, o que torna a cirurgia de reparação mais difícil e os resultados mais limitados", ressalta o especialista.

As primeiras próteses implantadas, isso na década de 80 e 90 duram cerca de dez anos. Elas duravam menos porque eram mais lisas e o silicone mais líquido. Já as utilizadas atualmente, observa Alexandre, possuem uma textura na superfície, a camada que as envolve é mais grossa e o silicone é mais gelatinoso. O desgaste, para estas próteses mais resistentes, acontece num período de 15 a 20 anos. Quem desejar colocar uma prótese precisa abrir a carteira: uma cirurgia para prótese no seio custa, em média, de 4 mil a 10 mil reais aproximadamente.

1) Como funciona a cirurgia?

A cirurgia normalmente é realizada com anestesia local e sedação, mas, em alguns casos, usa-se anestesia geral ou peridural. A duração é de uma hora a duas, aproximadamente. Um detalhe é que, no mesmo dia, a paciente já pode ser liberada desde que seguindo as recomendações pós-cirurgia.

2) Como é o pós-operatório?

A mulher chega a sentir dor nas primeiras 48 horas. Um dreno é colocado com o objetivo de evitar o acúmulo de secreções e retirado no mesmo período. Dentro de quatro ou cinco dias, a mulher já consegue voltar para o trabalho, desde que não faça esforço ou exercício físico (podem ser retomados após 2 meses). O inchado das mamas será natural e levará cerca de dois meses para desaparecer. O resultado definitivo do seio só aparece em torno de 6 meses após a cirurgia.

3) Deixa cicatrizes?

São inevitáveis, mas são pequenas e ficam escondidas. Segundo o cirurgião Alexandre Barbosa, o corte para colocar a prótese pode ser feito sob a mama (no sulco entre o seio e o tórax), ao redor da aréola ou axila. "Para uma prótese de 260 ml, por exemplo, a cicatriz costuma medir cerca de 4 cm", explica o médico.

4) Qual o momento ideal para colocar uma prótese nos seios?

Os especialistas recomendam a idade mínima de 17 ou 18 anos, uma vez que a mama já está bem desenvolvida. Além disso, as mulheres que pretendem engravidar não deve fazer a cirurgia porque o formato da mama pode mudar depois.

5) Impede de amamentar?

Não impede, uma vez que a prótese é colocada sob o musculo ou entre o musculo e a glândula mamária. Por isso, não interfere no crescimento do seio durante a gravidez e na amamentação. Mas, após amamentar, em algumas mulheres mudam de tamanho.

6) Quais sinais indicam problemas?

A mulher deve procurar um médico quando perceber uma perda nos resultados estéticos como a assimetria das mamas. "Isto é, uma fica mais dura ou mais alta ou quando há sinais de nódulos, caroços e dores", reforça o cirurgião. Mas o silicone causa alguma doença ou câncer?

Um estudo, realizado em 2000 pelo Instituto Nacional do Câncer nos Estados Unidos, acompanhou mais de 13 mil mulheres e concluiu que a prótese não tem nenhuma relação nem aumenta o risco de tumores nem atrasa o diagnóstico. Outra questão: qual o perigo de vazar o silicone? "Ele pode provocar uma inflamação crônica nos tecidos vizinhos que pode levar até à perda dos tecidos", diz o cirurgião.

7) O silicone impede o diagnóstico de câncer?

"Não, mas se a paciente tiver casos de câncer de mama na família, o médico pode preferir colocar a prótese sob o músculo para facilitar a visualização de um possível tumor", observa o cirurgião plástico.

8) Qual a validade da prótese?

Os médicos, explica o cirurgião plástico, não estipulam um prazo específico para realizar essa troca. As mais antigas precisam de acompanhamento médico após dez anos. As mais modernas duram mais, de 15 a 20 anos. Mas como deve ser este acompanhamento? "A mulher pode acompanhar a situação da prótese por meio de exames de rotina como ultrassom e mamografia. Quando há dúvidas, o melhor é a ressonância magnética", explica o médico.

9) Há risco de rejeição da prótese?

Segundo Alexandre Barbosa, a rejeição envolve a formação de anticorpos, algo que não ocorre com um material inerte como o silicone, portanto, não há rejeição.

10) O que é retração ou contratura da cápsula?

Quando o silicone é colocado, o organismo desenvolve uma espécie de cápsula de cicatriz com o objetivo de isolar o que é considerado um corpo estranho. "Trata-se de uma reação normal, mas, em alguns casos, essa cápsula fica excessivamente dura, o que ocasiona dor e pode alterar o formato da mama", alerta o especialista. Não, não se trata de rejeição e não se sabe exatamente o porquê algumas mulheres têm este tipo de reação. Caso isso ocorra, é necessário realizar uma nova cirurgia para corrigir o problema e trocar a prótese.

image beaconimage beaconimage beacon