Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Candidíase

29/06/2014 Madson Moraes

Os cuidados com a higiene pessoal feminina devem ser redobrados nesta época do ano.

Verão, período de sol, praia e piscina para curtir. Mas nessa época a atenção deve ser redobrada com a incidência da candidíase vaginal, uma infecção causada pelo fungo Candida albicans que, entre os principais sintomas, estão a coceira vulvar. Ataca também homens, mas geralmente os sintomas são mais intensos nas mulheres. Tire as dúvidas:

O que é a doença?

Candidíase ou monolíase é uma infecção provocada por fungos, sendo o mais frequente a Cândida albicans, que pode atacar as regiões inguinal, perianal e o períneo. Apesar de não ser considerada uma Doença Sexualmente Transmissível (DST), pode ser transmitida através de relações sexuais. É popularmente referida como um tipo de micose e pode acometer varias regiões do corpo humano e é uma das causas mais frequentes das vulvo-vaginites.

"Embora fça parte da flora vaginal normal e ali esteja em equilíbrio, a infecção é primária na mulher e os sintomas surgem quando há, por exemplo, uma baixa de imunidade ou outras condições que modifiquem o meio ambiente vaginal", explica o médico e ginecologista-obstetra Claudio Basbaum.

A transmissão se faz através do contato com secreções ou áreas de pele ou mucosas acometidas pelo fungo. Não parece ter qualquer relação com a ingestão de alimentos e se ocorrer "irritação" genital é mais provável que seja alguma manifestação alérgica local.

Quais os sintomas?

Geralmente, a candidíase está associada à queda da imunidade, ao uso de antibióticos, anticoncepcionais, imunossupressores e corticoides, à gravidez, diabetes, alergias e ao HPV (papiloma vírus). "Em ocasiões assim, as colônias de fungos se multiplicam e causam efeitos como coceira, ardência, rachaduras na pele, irritação, vermelhidão, placas esbranquiçadas (aftas), tanto na boca e língua quanto na pele e mucosas dos genitais do homem e da mulher", explica o ginecologista. Dessa forma, as lesões podem se propagar para a pele do períneo, virilhas e raiz das coxas.

"Na mulher, provoca uma secreção vaginal branco-leitosa espessa, semelhante a coalho, além de dor ou desconforto na relação sexual e, embora acometa menos frequentemente o homem, causa coceira ou ardor nas áreas de vermelhidão ou de pontos avermelhados como picadas de pulga ou rachaduras na pele do pênis ou prepúcio", afirma o médico. Já na boca (candidíase oral), ela é conhecida como "sapinho" e pode ser frequentemente se manifestar em bebês e também em adultos.

Como é feito o diagnóstico?

Baseia-se nas queixas e na inspeção do local afetado, tendo em geral aspecto muito característico e sendo rapidamente diagnosticada. Pode-se lançar mão do diagnóstico laboratorial através da análise da secreção vaginal ou bucal ou de coleta em raspado de pele para bacterioscopia com pesquisa direta e eventual cultura para fungos. É feito pelo exame clínico ginecológico, de laboratório e pelo exame de Papanicolau.

Quais os tratamentos?

Cuidados locais e gerais de higiene são exigidos para a regressão do quadro clinico e evitando a volta da doença. A mulher deve trocar e lavar bem as roupas iíntimas e evitar roupas justas, principalmente sintéticas e absorventes genitais em excesso, assim com não utilizar sabonetes comuns ou mesmo os chamados "íntimos" na higiene, o melhor é usar água e sabonete glicerinado ou para bebês.

Compressas com chá de camomila concentrado dão bom alívio. Evite o "abafamento" ou umidade na região genital, sobretudo durante o período menstrual ou quando fizer uso de maiôs de banho ou roupas sintéticas para a prática esportiva. Muitas vezes faz-se necessário, além do tratamento medicamentoso tópico, associar a medicação oral para o casal, sendo recomendada a abstinência sexual na fase aguda e o uso de "camisinha" por cerca de um mês para observar o final dos sintomas.

Medicamentos

A terapia medicamentosa é feita com antimicóticos (antifúngicos) de aplicação local - cremes, pomadas, soluções tópicas, cremes vaginais. O uso de produtos associados com corticóides locais aliviam muito os sintomas. Por vezes, sobretudo em casos de "candidíase de repetição", recomenda-se o uso de antimicóticos orais. Nos casos de solução difícil ou repetição, o tratamento pode requerer sua manutenção continua ou cíclica por vários meses.

Recomendações básicas

As principais medidas para evitar a candidíase nesta época do ano são simples. Portanto, nada de preguiça.

- Use calcinhas de algodão e evite usar calças apertadas ou de materiais sintéticos.

- Dê preferência ao uso de saias.

- Evite ficar muito tempo com o mesmo biquíni molhado na praia ou na piscina e, caso apresente alguns dos sintomas acima, procure logo seu ginecologista.

image beaconimage beaconimage beacon