Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Carência nutricional da mãe pode causar lábio leporino no feto

16/08/2014 Por Redação

Maria Eulália, de Fortaleza, realizou cirurgias corretivas gratuitamente - Marc Ascher, Divulgação

Doença que se desenvolve ainda no útero da mãe, a fissura lábio-palatina provoca aberturas no lábio, no palato (parte superior da boca) ou nas duas áreas simultaneamente. Segundo o cirurgião plástico Gerson Ritz, é entre a quarta e a oitava semana de gestação que a doença pode surgir, e entre suas causas, estão a carência nutricional e uso de medicamentos pela mãe.

Os cuidados de higiene bucal para as crianças que têm lábio leporino ou fenda palatal são os mesmos de outras crianças. Segundo o consultor da Associação Brasileira de Cirurgiões-dentistas (ABCD) Ricardo Martinelli, mesmo antes do aparecimento dos primeiros dentes, a mãe deve higienizar a boca do bebê com um pano limpo e umedecido para retirar o excesso de leite que fica na mucosa. Depois do nascimento dos dentes eles devem ser escovados normalmente, com pasta e escova específica para a idade.

Em casos de pacientes com fenda palatar, o excesso de pasta de dente ou até mesmo da água para o enxágue pode causar incômodo por causa da ligação da parte de cima da boca com o nariz. A recomendação é que a higiene seja feita apenas com a escova e o fio dental. A pasta de dente e o enxaguatório são benéficos, mas se causam desconforto podem ser eliminados sem prejuízo para a limpeza dos dentes, explica Martinelli.

Cirurgia

Intervenções cirúrgicas são indicadas para a correção das fendas lábio-palatinas. De acordo com Ritz, a partir de três meses de idade já é possível operar a abertura do lábio e, com um ano, já pode ser feita a cirurgia no palato. Essas são as duas principais intervenções, mas existem outras que devem ser feitas até a idade adulta para a correção total. Em casos em que há aberturas no lábio e no palato, são necessárias de seis a sete cirurgias em média para completar o tratamento. De acordo com a condição da criança com lábio leporino, deve-se estabelecer desde cedo um tratamento multidisciplinar, com dentistas e médicos trabalhando em conjunto. Alguns problemas específicos podem afetar esses pacientes, segundo o consultor da ABCD. Pode haver um comprometimento na erupção de alguns dentes, que podem não existir ou o paciente não ter suporte ósseo na boca para que o dente saia. “A erupção dos dentes de quem tem lábio leporino normalmente é mais tardia”, diz.

Outro problema que também pode afetar os pacientes é a anomalia de esmalte, uma má-formação que deixa o dente com um aspecto diferente dos outros, com uma aparência manchada e mais suscetível à cárie. Pacientes também podem apresentar dentes que nascem em formato de cone na parte da frente da boca. Todos os tratamentos odontológicos tradicionais podem ser aplicados em quem tem lábio leporino para que a sua dentição fique com aparência normal, diz Martinelli. A cirurgia plástica resolve a parte estética e também os problemas de fala que podem surgir. No caso da fenda no palato, em torno dos 10 anos de idade é realizada uma cirurgia para colocar um enxerto ósseo e corrigir a abertura. Quando a fenda afeta a parte mais interna da boca, o paciente tem um comprometimento maior que pode prejudicar a alimentação e também a fala. Segundo Ritz, todos os procedimentos cirúrgicos são realizados no hospital, com anestesia geral. A última etapa do tratamento multidisciplinar é a rinoplastia, que pode ser feita depois que o paciente terminou o tratamento odontológico e sua arcada dentária está na posição correta. A cirurgia plástica no nariz é necessária para corrigir desvios de septo que ocorrem nos pacientes e também para tratar a parte estética do nariz.

ONG oferece tratamento gratuito

Ritz trabalha com a ONG Operação Sorriso, que realiza missões em cidades brasileiras para oferecer tratamento gratuito para pessoas com lábio leporino, como Maria Eulália, que fez as cirurgias corretivas através da ONG na cidade de Fortaleza. No ano de 2013, nas cidades do Rio de Janeiro, Santarém (PA) e Maceió (AL), a ONG tratou 160 pacientes, realizando em média 200 procedimentos e 2 mil consultas. Para contatar a Operação Sorriso, basta acessar o site http://www.operationsmile.org.br.

image beaconimage beaconimage beacon