Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Fatores genéticos podem causar malformação dos dentes

Logotipo do(a) Sua Dieta Sua Dieta 17/07/2014 Sua Dieta
© Aamon - Fotolia.com

Fatores genéticos podem causar malformação dos dentes

Os dentes são determinantes na harmonia do rosto. Dentes em desalinho, ou malformados podem ser responsáveis por constrangimentos e até traumas numa pessoa.

Dentes muito menores do que o normal, ou ainda muito maiores, e até mesmo em falta, exigem tratamento desde a infância. A rigor, a formação dos dentes se dá antes mesmo de o bebê nascer. São processos complexos que sofrem influência genética, hormonal e ambiental a ponto definir malformações que vão, muitas vezes, se tornar evidentes apenas quando nascerem os dentes permanentes. 

É o caso, por exemplo, da microdontia (dentes bem menores do que o normal), da macrodontia (dentes muito maiores do que o normal) e da hipodontia (nascem menos dentes do que o padrão). Vale lembrar que a Ortodontia resolve cada um desses problemas com resultados muito naturais. Ainda assim, é importante consultar um especialista desde cedo quando esse tipo de problema já existe na família.

"Geralmente, as malformações dentárias têm um forte componente genético e hereditário, embora fatores ambientais também tenham influência", diz Marcelo Viola, ortodontista e membro do Conselho Científico da APCD (Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas). "Entre 4% e 15% da população mundial têm algum problema relacionado à falta ou ao crescimento anormal de um ou mais dentes, principalmente os permanentes. Geralmente, não são problemas graves, mas podem significar prejuízo para as funções bucais e até impactar a harmonia do sorriso quando não diagnosticados ainda na infância e tratados adequadamente".

Na microdontia, o especialista diz que há dois grandes problemas: um estético e outro funcional. "Nos casos mais comuns, a microdontia acontece nos dentes incisivos laterais. Eles não se desenvolvem como os outros, ficando bem menores em relação aos vizinhos (incisivos centrais e caninos). Além da estética do sorriso, que pode ser bastante melhorada com pequenas intervenções, há o problema do diastema ou espaçamento. Com a falta de material dental e ausência de contato entre os dentes vizinhos, podem surgir problemas no encaixe dos dentes (oclusão) e também desalinhamento. O uso de aparelhos ortodônticos tanto nesse tipo de situação, como quando faltam alguns dentes, se dá no sentido de fechar os espaços ou adequá-los para receber procedimentos restauradores e restabelecer a função".

Viola explica que a macrodontia - que ocorre quando alguns ou todos os dentes atingem um tamanho muito maior e desproporcional do que o padrão - é ainda mais rara e geralmente está associada à presença de algumas síndromes. Um dos problemas mais graves, neste caso, é a falta de espaço para que todos os dentes se acomodem funcionalmente na arcada dentária - o que acaba, muitas vezes, resultando no apinhamento dentário (dentes "encavalados"). "Em determinados casos, a extração e o uso do aparelho ortodôntico são necessários, a fim de evitar, inclusive, a deformação facial". Diante disso, quem acaba de se lembrar de um caso semelhante na família já sabe que é preciso levar as crianças o quanto antes para uma consulta com o ortodontista.

Mais de Sua Dieta

image beaconimage beaconimage beacon