Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Sociedade Brasileira de Cardiologia estabelece novos níveis para controlar o colesterol

Logotipo do(a) Sua Dieta Sua Dieta 17/07/2014 Sua Dieta
Photo: Sociedade Brasileira de Cardiologia estabelece novos níveis para controlar o colesterol © viperagp - Fotolia.com Sociedade Brasileira de Cardiologia estabelece novos níveis para controlar o colesterol

Sociedade Brasileira de Cardiologia estabelece novos níveis para controlar o colesterol

Atenção! É hora de refazer o seu exame de sangue. Para melhor controlar o problema do aumento do colesterol, cardiologistas baixam os níveis aceitáveis de LDL no sangue de grupos de risco. As marcas ficaram mais agressivas e muitas pessoas que antes estavam se mantendo na risca, agora terão que se preocupar.

 

A partir de agora, segundo a nova diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia, o nível ideal de colesterol-LDL em pacientes de alto risco baixa de 100 miligramas por decilitro para 70 mg por decilitro. O objetivo é garantir tanto aos médicos como a pacientes, o melhor tratamento e os benefícios da redução do risco cardiovascular.

As orientações da 5ª Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevenção da Aterosclerose para classificar o risco dos pacientes também mudaram, e neste ponto as mulheres são as mais atingidas. Até hoje, pessoas do sexo feminino são classificadas como pacientes de alto risco quando têm mais de 20% de possibilidade de morte ou infarto do miocárdio nos próximos 10 anos.

Com a nova diretriz, uma chance maior do que 10% já deve acender o sinal amarelo no consultório médico para o risco de doença aterosclerótica coronária, derrame, insuficiência vascular periférica ou insuficiência cardíaca. Esta probabilidade é calculada de acordo com a presença e a magnitude dos fatores como idade, níveis de pressão arterial sistólica, valores iniciais do colesterol total e HDL-colesterol, tabagismo e a presença de diabetes mellitus.

Aquelas consideradas de baixo risco (<_525_29_ se="" tiverem="" _histc3b3_ria="" familiar="" de="" _doenc3a7_a="" _coronc3a1_ria="" precoce="" passam="" a="" risco="" _intermedic3a1_rio2c_="" onde="" meta="" do="" ldl-colesterol="" _c3a9_="">

"A nova diretriz procura reduzir a chance de erro ao se estimar o risco individual, com maior rigor em todos esses aspectos, pois antes os escores de risco não contemplavam a história familiar de doença cardiovascular prematura, também subestimavam o risco entre as mulheres, os indivíduos jovens - naqueles com fatores de risco muito alterados ou extremos - e na avaliação em longo prazo", afirma a Dra. Maria Cristina Izar, cardiologista, Livre Docente em Cardiologia e Professora afiliada da Disciplina de Cardiologia da UNIFESP (SP).

Ela ainda completa dizendo que "Além disso, os escores não contemplavam a síndrome metabólica, condição que associa a obesidade abdominal. A nova diretriz também propõe metas lipídicas mais agressivas com base em evidências de que reduções de cerca de 40 mg/dL no LDL-colesterol são acompanhadas de taxas de eventos cardiovasculares 20% menores, porém, reduções de 80 ou até de 120 mg/dL se acompanham de redução de eventos da ordem de 40 a 50%, com segurança.

As mudanças no estilo de vida e na alimentação são a primeira linha de defesa contra o colesterol elevado. A redução do peso, e menor ingestão de gordura saturada e gordura trans desempenham um papel importante neste contexto. Como também, a ingestão de fibras solúveis e fitoesteróis que são aliados na redução do colesterol alto.

Hoje em dia, existem alimentos enriquecidos com a quantidade necessária de fitoesteróis por dia, como por exemplo, cremes vegetais. Sendo necessário o consumo de apenas duas porções para atingir a recomendação, que é de 1,6 a 2 g por dia.

"Os fitoesteróis, também chamados de esteróis vegetais, são um grupo de compostos naturalmente presentes em leguminosas, sementes, frutas, hortaliças, nozes e cereais. Têm estruturas e funções semelhantes às do colesterol e, por isso, quando consumidos, ocupam o lugar do colesterol nas micelas (responsáveis pelo transporte das gorduras até as células do intestino), diminuindo assim sua absorção, sendo eliminados através das fezes. Essas substâncias, aliadas a uma dieta balanceada e hábitos de vida saudáveis, promovem a redução do colesterol ruim (LDL) no sangue", finaliza a Dra. Maria Cristina.

 

Mais de Sua Dieta

image beaconimage beaconimage beacon