Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Suspeita de osteoporose pode aparecer no consultório do dentista

Logotipo do(a) ColgateColgate 16/08/2014 Por Redação

Suspeita de osteoporose pode aparecer no consultório do dentista

Imagine ir ao consultório odontológico e descobrir que seus ossos não vão bem. Ainda que a situação não seja comum, o dentista pode ser o primeiro a levantar a suspeita de osteoporose em seu paciente – o que acontece a partir de exames de raio-x, como as radiografias panorâmicas. A doença afeta todos os ossos do corpo, e a boca não está livre dos sintomas. 

A osteoporose, que é a redução da resistência óssea e consequente aumento do risco de fraturas, pode afetar ossos da maxila (parte superior da boca) e da mandíbula (inferior). De acordo com Sérgio Spezzia, professor da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e especialista em saúde da mulher no climatério pela USP, a doença influencia na conduta do dentista em certos procedimentos odontológicos, como os implantes dentários. Nesse caso, a fixação do material pode ficar comprometida. Além disso, a osteoporose não tratada pode causar alterações nos tecidos de sustentação dos dentes, que podem até cair.

 “É vantajoso que se execute o diagnóstico da doença precocemente, para evitar danos ou sequelas em longo prazo, e o cirurgião dentista pode ajudar nesses termos”, observa Spezzia. Ainda assim, o professor ressalta que o paciente deve confirmar o diagnóstico em consulta ao médico, geralmente a partir do exame de densitometria óssea.

Para quem já sabe que convive com a osteoporose, é importante relatar o fato ao dentista. O tratamento médico por drogas chamadas bifosfonatos associado a procedimentos como extrações e implantes dentários, enxertos ósseos e outras cirurgias, aumenta o risco de osteonecrose - perda de irrigação sanguínea ao osso, causando a morte do tecido.   

Grupo de risco é formado, principalmente, por mulheres acima de 40 anos

Mulheres na fase do climatério – idade de transição do período fértil para o não fértil, em torno de 40 anos – são as pessoas mais propensas a apresentar osteoporose. Isso acontece por causa da redução hormonal, principalmente do estrogênio, que é responsável pela regulação da absorção do cálcio. Para esse grupo, Spezzia recomenda ainda mais cuidado com a saúde bucal, antes e depois dos 40 anos.

 “O importante é que deve haver conscientização da população feminina nas fases mais precoces de suas vidas”, afirma. Alterações decorrentes da osteoporose se tornam ainda mais graves caso o paciente já apresente problemas bucais, causando uma “somatória desfavorável”, defende o professor. 

A prevenção odontológica é feita através de escovação adequada e uso do fio dental e de antissépticos bucais corretamente. Além disso, é recomendado acompanhamento de um dentista, para remoção de placa bacteriana e, eventualmente, tártaro da superfície dos dentes.

Já a osteoporose pode ser evitada com exercícios físicos regulares, exposição à luz solar por 15 minutos por dia e ingestão mínima de cálcio (1200 mg por dia) e vitaminas, sobretudo a D. O cálcio pode ser encontrado no leite, em iogurtes e na sardinha, por exemplo. A vitamina D, além dos laticínios, também está em verduras.   

Números

Cerca de 50% das mulheres e 20% dos homens com idade igual ou superior a 50 anos sofrerão fratura devido à osteoporose ao longo da vida, conforme o Ministério da Saúde (MS). Além disso, a população brasileira propensa a desenvolver osteoporose aumentou de 7,5 milhões em 1980 para 15 milhões em 2000. Segundo dados do MS, foram internados 90 mil idosos por fraturas em 2013.

image beaconimage beaconimage beacon