Você está usando um navegador antigo. Por favor, utilize versão suportada para ter acesso às melhores funções do MSN.

Deixar o destaque da posição 8 (a que está pinned, de Booking) sempre na MESMA POSIÇÃO

Um giro por Shoreditch e Brixton, os bairros mais cool de Londres

Logotipo do(a) Viagem e Turismo Viagem e Turismo 22/10/2018 Bruno Favoretto
Brixton, Londres: Habitado majoritariamente pela comunidade jamaicana, Brixton se reinventou e hoje é um dos bairros mais bacanas de Londres © /Um giro por Shoreditch e Brixton, os bairros mais cool de Londres/Reprodução Habitado majoritariamente pela comunidade jamaicana, Brixton se reinventou e hoje é um dos bairros mais bacanas de Londres

Londres está mudando. É nítido aos olhos de quem não a presenciava há oito anos. Seus imponentes cartões-postais seguem lá, alguns deles

gratuitos como a Tate Modern, cujo acervo equivale a muito PIB por aí, e a National Gallery, na lendária Trafalgar Square.

São lugares que atraem também pelo quê tradicional e merecem ser visitados. Mas a reinvenção e a modernização vão além do fato de a família

real agora agregar uma americana, feminista, divorciada e ativista pelo direito dos negros.

Shoreditch: A inventividade dos millenials é a marca registrada de Shoreditch, um dos bairros mais cool de Londres © Divulgação A inventividade dos millenials é a marca registrada de Shoreditch, um dos bairros mais cool de Londres

Seu skyline está vivendo uma novaiorquização, com prédios moderníssimos brotando no lugar de construções outrora degradadas, fazendo despontar novas áreas de interesse.

SHOREDITCH E A INVENTIVIDADE DOS MILLENIALS

O expoente máximo disso é Shoreditch, a vizinhança mais criativa da cidade. Na East End, mas bem central, ela é compreendida entre a Brick

Lane e a rotatória do metrô Old Street – outros bons acessos são de overground, o metrô de superfície, pelas estações Shoreditch High Street e

Hoxton.

Essa onda cool atingiu Shoreditch na virada do milênio, quando os moderninhos se mudaram para lá, após abandonarem West End pelo alto custo, e começaram a ocupar seus armazéns, que estavam abandonados pelo declínio da indústria de tecidos – um movimento chamado de gentrificação,

que tem lados bons e ruins.

Shoreditch atraiu também por estar próximo à Liverpool Street, região com vários empregos no setor financeiro. Se é para comparar com Nova York, é o primo britânico de Williamsbourg, tamanha a incidência dos chamados millenials.

Hoxton Square, em Shoreditch: A boa vida de Shoreditch, na Hoxton Square © Getty Images A boa vida de Shoreditch, na Hoxton Square

Afinal, quem são esses millenials? O que comem? Como se reproduzem? Também conhecidos como a geração Y, o que se sabe é que eles são nascidos entre 1980 e 1995.

Estejam onde estiverem, esses millenials são uma estirpe que, segundo estudo do Google Brasil, busca no acesso à cultura a sua principal fonte de

educação, inspiração e entretenimento. Ao mesmo tempo em que são mega-conectados, eles tendem a ser nostálgicos e trazem consigo uma atmosfera de lojas vintage, galerias, grafites, bares moderninhos e casas noturnas subversivas.

Banksy e mais

Viajar a trabalho proporcionou o check-in num hotel que resume bem essa inventividade, uma das tantas inaugurações recentes em hotelaria

da região. O The Curtain, moderninho/butique, tem decoração que é a faísca para explorar a cultura de rua de seus arredores, detalhes como fotos de Led Zeppelin e Blondie na porta do armário.

Nao à toa já atraiu a ex-primeira dama do Nirvana, Courtney Love, que não aproveitou a piscina de borda infinita no topo, ao lado do bar Lido, para hóspedes, onde se faz o desjejum.

Hotel The Curtain, Shoreditch: O moderninho The Curtain © Reprodução O moderninho The Curtain

Iniciei o passeio por Shoreditch de manhã. É atravessar a Curtain Road e comprovar que, mesmo com o real combalido, o brasileiro não deixou de ir

– o preço que se paga por tudo no Brasil não é muito diferente do que gastar em libras. Em 2017, 244 mil tupiniquins foram ao Reino Unido, 31%

mais que em 2016. Gastaram £ 263 milhões.

Se faltar câmbio lá, vá ao correio ou às lojas Debenhams, John Lewis e Marks & Spencer. Não o fiz, saquei com o cartão de crédito. Sairia mais barato ter pedido à máfia. E essas questões econômicas são muito discutidas nas paredes do bairro, georgianas, de tijolos.

As contradições são discutidas com muitos grafites. Não faltam ruas e estilos de arte de rua e o chavão de galeria a céu aberto se torna irresistível.

Theresa May, Brexit, Donald Trump e feminismo são o grande foco. Eles mudam toda hora: ou são removidos ou colorem um novo por cima, e o que se vê hoje pode sumir amanhã.

Arte de rua de Shoreditch: Girl With Spheres, mural de Jimmy C, um pedaço da arte de rua de Shoreditch © Divulgação Girl With Spheres, mural de Jimmy C, um pedaço da arte de rua de Shoreditch

Um dos artistas, no entanto, resiste, a não ser quando suas obras são roubadas. Artista que se mantém anônimo para manter a liberdade criativa e fugir de sanções. Não se sabe nem se é “um”, “uma” ou um coletivo. Se é um pássaro, um avião. Sim, é o Banksy.

Rua legal para ver dois murais banksyanos, que sempre confrontam injustiças sociais e deixam mensagens políticas usando animais, é a Rivington. Os grafites em estêncil – técnica sobre molde vazado que permite desenhos em série – estão sob os arcos da ferrovia no muro da Cargo, casa que abre de dia como café e à noite como balada – o bar é de graça e há bandas novas na pista.

Grafitti de Banksy em Shoreditch © Reprodução Grafitti de Banksy em Shoreditch

Uma é um policial carregando um poodle na coleira e a outra, um cão com um míssil apontado para um megafone. Em frente, me agradou mais na parede de tijolos o estêncil da Bambi, grafiteira também enigmática como Banksy: são cinco meninos iguais, lado a lado, com o pé sobre uma caveira e clamando para que “não atire”, referência a Michael Brown, rapaz assassinado pela polícia de Ferguson, Missouri, em 2014.

A Rivington Street ostenta outros belos exemplares grafiteiros que perduram, como o do paulistano Cranio, ao lado do número 2 da rua, onde era um centro social para imigrantes com shows, que vai dar lugar a um hotel – essa gentrificação pode ser predadora, como comprovam os vários pubs raiz que fecharam para dar lugar a franquias como Tesco e Starbucks.

Callooh Callay, bar em Shoreditch: O Callooh Callay © Reprodução O Callooh Callay

Mas a Rivington vai além da arte rueira. Fora a Cargo, outros espaços atraem para quem quer bebericar e aproveitar a noite. Eleito um dos grandes bares secretos londrinos pelo The Telegraph, o Callooh Callay é um lounge com bons drinques inspirado em Jabberwocky, poema nonsense de Lewis Carroll que inspirou o filme de Monty Python, daí a decoração aleatória.

Os sofás são de couro, assim como no vizinho Strongroom, já virando na Curtain Road – o bar vende camisetas de Donald Trump de batom. Para economizar, ainda na Rivington, aposte na napolitana Pizza Pilgrims.

Boxpark e Redchurch Street

Ali pertinho, na Bethnal Green Road, nada mais Shoreditch que o Boxpark, complexo de compras cheio de designers locais, por vezes itinerantes, cujas lojas estão instaladas em contêineres, um empilhado sobre o outro.

Boxpark, Shoreditch: O Boxpark, centro comercial composto de contêineres, em Shoreditch © Reprodução O Boxpark, centro comercial composto de contêineres, em Shoreditch

Falando em moda, é curioso matutar que a região que sediava uma espécie de favela, a Old Nichol, é hoje um must, sobretudo a Redchurch Street, onde calças xadrez e/ou skinny viraram insumo para os londoners. Para muitos, já supera ruas como a Oxford e a dupla do Mayfair, Bond e Mount, como a via mais fashionista de Londres.

Na Redchurch, acham-se calçados contemporâneos distintos para homens e mulheres na Tracey Neuls, mas nada por menos de £90. Peças estilosas

também são encontradas em endereços como a butique multimarcas francesa Aimé e na italiana Versus, marca da Versace. Mas há quem prefira as roupas básicas e mais baratas da Sunspel, loja inglesa aberta em 1860.

Labour and Wait, Shoreditch: Os itens retrôs da Labour and Wait © Reprodução Os itens retrôs da Labour and Wait

Já eu, confesso, acho mais divertido garimpar roupa numa das trocentas charity shops da cidade: além de ajudar os necessitados, já que a grana das vendas é revertida para as instituições, essas lojas vendem até peças de grife – é a caso da Oxfam, a 12 minutos dali de overground, desça na estação Dalston Junction.

Por fim, vale dar uma sapeada nas chaleiras e outros utensílios retrô na Labour and Wait, assim como nas luminárias da Monologue.

Gin em South Hackney

Na divisa de Shoreditch com South Hackney, que guarda o aprazível Victoria Park, happy hour das boas é a eclética East London Liquor Company. Faz um papel triplo em seu salão charmoso de mármore e tijolo: é bar; é restaurante de comida italiana com custo/benefício na pizza fina assada na pedra; e é uma destilaria que produz vodca, gim e uísque, que podem ser apreciados em tours.

East London Liquor Company, Shoreditch: A East London Liquor Company, espaço que é parte bar, parte restaurante e parte destilaria © Reprodução A East London Liquor Company, espaço que é parte bar, parte restaurante e parte destilaria

Fato é que Shoreditch é a Londres que olha para o futuro, porém com uma dose de nostalgia que caracteriza a geração millenial, preservada até no

linguajar cockney, o sotaque característico da classe trabalhadora que sempre habitou o lado leste. Eles engolem as consoantes, mas não pedem

um chopps e dois pastel como este que vos escreve.

BRIXTON E A REINVENÇÃO CARIBENHA

The people’s fridge, a geladeira do povo. Qualquer um pode levar ou deixar comida. O que pode entrar: embalagens fechadas, frutas, vegetais e

marmitas dos comerciantes. O que não pode: alimentos vencidos, carne crua, peixe, ovo, congelados e álcool.

Isso tudo está escrito em um refrigerador dentro do Pop Brixton, complexo criado há três anos no coração do bairro. É a melhor happy hour do sul londrino, algo inimaginável se considerarmos que Brixton é um gueto habitado majoritariamente pela oprimida comunidade jamaicana, mas que agora é uma das vizinhanças revigoradas da cidade, trendy.

Pop Brixton, Londres: O Pop Brixton, um mix de restaurantes e lojinhas bacanas © Reprodução O Pop Brixton, um mix de restaurantes e lojinhas bacanas

É um mix, um lugar “raiz” e moderninho ao mesmo tempo, ideal para uma tarde–noite em meio a mercados e restaurantes inovadores. É como Shoreditch há dez anos, ainda sem os prédios à la Nova York. Esse Pop Brixton é O ponto de partida para entender o bairro, que é acessado pela estação Brixton Road do tube, o metrô – a 7 minutos (quatro paradas) da Victoria Station, no Centro; ou a meia-hora de bus de Westminster.

O Pop é lar de 55 empresas independentes que operam em contêineres. Há bares e restaurantes étnicos, comerciantes de alimentos, designers, start-

ups digitais, barbearia comunitária, estação de rádio jovem, música ao vivo, baladas, mercados, ioga, teatro, dança.

Onde comer lá? No altamente cotado Smoke and Salt, cujo menu, fixado com imãs na parede do contêiner, tem invenções do chef Remi Williams, como o ovo cozido totalmente na casca – você o quebra na mesa.

Smoke and Salt, Londres: O Smoke and Salt, um dos restaurantes do Pop Brixton © Reprodução O Smoke and Salt, um dos restaurantes do Pop Brixton

Nada mais Bowie

Era uma tarde e, após sair do Pop, fui abordado e presenteado com uma lanterna por um rastafári. E saí a explorar esta quebrada de atmosfera

vibrante, oposta à de Guns of Brixton, canção do The Clash que retrata a superada violência, sabida também por quem conhece a trajetória de David

Bowie, que passou parte da infância com sua família errática no número 40 da Stansfield Road.

A casa resiste, como era, mas o lugar mais icônico sobre o Camaleão é a esquina da Tunstall Road com a Brixton Road, diante da estação. Batizado de David Bowie Memorial, é um mural dele caracterizado como ZiggyStardust protegido por um vidro, pintado pelo australiano Jimmy C. Foi lá que os fãs deixaram flores, cartas e desenhos quando Bowie partiu da Terra em 2016.

David Bowie Memorial: O David Bowie Memorial, com as flores, cartas e outras homenagens dos fãs © Getty Images O David Bowie Memorial, com as flores, cartas e outras homenagens dos fãs

Bowie visto, caí na Electric Avenue, rua sem carros e com camelôs a vender frutas, botas, roupas coloridas estilo Will Smith em O Maluco no Pedaço.

Atrás de uma dessas barracas insurge na parede de tijolos um grafitão de um rastafári.

Ao lado dele tem uma portinha, a entrada alternativa do Brixton Village, um mercado onde dividem espaço peixarias e lojas de produtos caribenhos

da comunidade; galerias de arte como a Studio 73, com gravuras, e a Circus, com almofadas; cafés como o Federation, onde se paga £ 2,10 no

expresso, cujos grãos foram torrados no bairro, e fica-se de bobeira no laptop; e restaurantes como o Station 26, com água filtrada de cortesia em jarras e cardápio variado glúten free.

Brixton Village: O Brixton Village © Divulgação O Brixton Village

Saindo pela outra porta do Village, atravesse a rua e adentre outra arcada, o Market Row, similar, mas ainda menor. É uma espécie de corredor, que

logo acaba e, atravessando a rua, culmina na Reliance Arcade, uma galeria com cabelereiros afro e discos. Ainda que seja melhor arrematar exemplares de jazz e punk na Pure Vinyl, mais em conta que nos sebos de Notting Hill, uma seleção com a curadoria de Claudia Wilson, dona e DJ em Brixton há 25 anos.

Perfume de £ 1

De volta à avenida onipresente, a Brixton Road, compras mais baratas são os cacarecos da Poundland, com guloseimas, molduras, jogos de velas e

até perfume Umbro por £ 1. Saí carregado e certo de que tinha economizado, mas carregar coisas demais induz ao vacilo. Só notei que havia perdido £ 20 quando estava na CeX, loja na mesma calçada que compra e vende celulares e games – arrematei um Sonic por £ 4.

Pena que não era um sábado às 12h15, quando rolam tours gratuitos na grande novidade do pedaço, a Brixton Brewery, microcervejaria aberta em

junho, um lugar com aquele cheiro de cevada e lúpulo que inebria.

Brixton Brewery: Os rótulos da cervejaria local, a Brixton Brewery © Reprodução Os rótulos da cervejaria local, a Brixton Brewery

Vem a noite. O Pop Brixton está bombando, assim como outras baladas e bares, que por vezes usam pallets para criar pequenos jardins e caixas de

cerveja como base de sofás. Meu foco, porém, é um agito mais genuíno: o Dogstar, pub com DJs, que no letreiro se diz como um lugar cheio de mistério como nenhum outro na Terra. É legal, mas não a ponto de a gente se sentir tão especial.

Apesar do transporte público, voltei à Brixton Road atrás de táxi, mas precisei de uma hora para concluir que os choferes não poderiam parar na pista de ônibus para eu embarcar. Cansado, avistei, como uma miragem, o mesmo rastafári que havia me dado a lanterna à tarde; ele disse que havia

uma loja de transfers executivos com o mesmo preço dos táxis em frente ao… Dogstar, para onde tive que voltar.

Dogstar, Londres: O Dogstar, um dos pubs de Brixton © Reprodução O Dogstar, um dos pubs de Brixton

Conclusão: se o bicho pegar, sempre alguém vai ajudar e soltar um “no problem, man”. Não se duvida de quem compartilha comida numa geladeira comunitária. A regra em Brixton é pensar fora da caixa, como fizera David Robert Jones, o Bowie.

LONDON CALLING

Embarquei numa van pilotada por Bruce Cherry, dono da London Rock Tour, que faz 26 passeios temáticos. Sabia que o cara tinha uma mente roqueira enciclopédica, mas fiquei chocado com o fato de ele manjava tudo de música brasileira. Conhecia pessoalmente a galera dos Mutantes e até levou a Pitty para fazer tatuagem em Camden Town.

Meu tour era algo como rock clássico com alguma ênfase em Queen, com a maioria das atrações no Soho e Kensington. Foi assim:

Ealing

Ealing Jazz Club

Berço do R&B britânico e dos Rolling Stones: lá, Mick Jagger e Keith Richards conheceram Brian Jones. Os primeiros shows lá foram em 1962 – em janeiro de 1963 foi o primeiro show com a formação clássica: Mick, Keith, Brian, Bill, Ian e Charlie.

Outros que despontaram neste porão diante da estação Ealing Broadway, em West London, foram Eric Clapton e The Who. Pequeno e escuro, hoje

virou a casa de blues The Red Room.

Soho

Denmark Street

A ruazinha tem muita história num raio de 100 metros. Tinha lojas de instrumento como a Mills Music (nº 21), onde Elton John trabalhava e compôs Your Song no telhado. Jimi Hendrix, sem grana vindo dos EUA, ficava solando pela rua.

Os Sex Pistols moraram num apê ali. Em outro, Storm Thorgerson criou capas do Pink Floyd. Bowie também teve a ideia de Ziggy Stardust nessa

via.

Seven Dials Hotel

No fim da Denmark Street, ali era o estúdio onde foram gravados grandes clássicos como Paranoid, do Black Sabbath de Ozzy Osbourne.

Wildwood Kitchen

Ali do lado, este restaurante ocupa a imóvel em que Paul McCartney deu uma festa em 1978. Depois de sair dela, Keith Moon, do The Who, morreu.

Empire Cineworld

Este cinema, hoje iMax e com cassino, recebeu em 1982 a première de The Wall, épico filme do Pink Floyd, e reuniu feras na plateia.

O’Neill’s    

Bowie gravou o clipe de Blue Jean neste pub, antes conhecido como Wag Club. Não somente as lendas britânicas como Eric Clapton o frequentavam: Madonna e Prince adoravam.

Trident Studios

Hoje, um estúdio de jingles. Ontem, espaço onde se gravaram alguns dos maiores discos da história – mais que Abbey Road, focado em Beatles e

Pink Floyd.

Na porta tem a placa azul redonda que atesta que é um pico histórico, como rola em toda a Londres. Nela, diz que Space Oddity e The Rise and Fall of Ziggy Stardust foram gravados aqui.

Mas não teve somente Bowie: Elton John deu vida a Your Song aqui, e teve Bohemian Rapsody, do Queen, Frank Zappa… Fica numa travessinha para pedestres.

Iskcon Radha-Krishna 

Ao lado da Soho Square, o templo cativou George Harrison.

Kensington

The Tower House

De 1895, vitoriana e com uma torre gótica, é a mansão de Jimmy Page, o cultuado guitarrista do Led Zeppelin. Ele já notificou seu vizinho de calçada, Robbie Williams, que o cantor pop não pode fazer reformas ali, pois além de proibido, pode afetar a casa de Page. Fica na região de Holland Park, que tem David Beckham e sua poshhouse na rua de baixo.

Sticky Fingers

Restaurante de Bill Wyman, antigo baixista dos Stones, que usa na decoração baixos, ingressos, cartazes e outros cacarecos da banda.

Garden Lodge

Freddy Mercury passou os últimos anos neste casarão de paredão branco, até falecer. Sua grande amiga colorida Mary Austin ainda vive lá. Não dê

bandeira com a câmera na porta, tire fotos disfarçadamente.

Kensington Imperial College

Onde Brian May estudava e começou a formar o Queen.

Royal College of Art

Nesta faculdade, David Gilmour conheceu Syd Barret. E também houve um concurso para criar o logo dos Stones, a bocarra, e o vencedor levou £ 25.

Aubaine Restaurant

Aqui tinha um brechó onde Freddy Mercury vendia roupas tie die.


Este recurso não tem suporte na versão do seu navegador. Recomendamos atualizar para a versão mais recente do Internet Explorer para usá-lo.

Mais de Viagem e Turismo

Viagem e Turismo
Viagem e Turismo
image beaconimage beaconimage beacon