Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

"Aboubakar? É o melhor dos Camarões e pode chegar ao meu nível ou de Eto'o"

Logótipo de O Jogo O Jogo 23/08/2017 Alcides Freire

O antigo goleador Roger Milla vê o avançado portista na senda das lendas camaronesas: ele próprio e Samuel Eto"o.

Aboubakar está a assumir-se como o homem-golo do FC Porto neste início de temporada e o hat trick conseguido contra o Moreirense mais não foi do que a confirmação, depois de nove marcados na pré-temporada e mais um ao Tondela, na segunda jornada da Liga. Quem não ficou surpreendido com o rendimento do camaronês foi Roger Milla, histórico goleador dos "leões indomáveis" nas décadas de 80 e 90. "Aboubakar é o avançado dos Camarões e tem a responsabilidade de responder à altura da herança que outros grandes avançados da seleção deixaram. É indiscutível que tem tudo para lá chegar. Mas ainda é um jogador que não concretizou todo o potencial que tem, porque vejo nele ainda bastante margem para continuar a crescer no ataque. Agora, tem de trabalhar muito" explicou Milla, em entrevista exclusiva a O JOGO. Aliás, o antigo goleador não hesitou em apontar-lhe voos mais altos ainda. "Neste momento é o melhor avançado dos Camarões e merece, sem dúvida, conseguir afirmar-se como outros avançados do passado, como eu, ou como o Eto"o, por exemplo, porque tem tudo o que é necessário para lá chegar", elogiou.

citacaoHoje, com 65 anos, Roger Milla continua a ser uma das principais referências do futebol africano

Mas não só de elogios se tecem os comentários em torno do avançado do FC Porto. "O problema de Aboubakar é a regularidade e a constância em campo. A classe e as qualidades dele não se discutem, mas se conseguir ser mais constante no jogo e pesar mais no ataque será melhor ainda. Já lhe disse isso e penso que é essencial", explicou. Concretamente, Roger Milla aponta alguns aspetos a melhorar. "Quero dizer que é um avançado que tem de evitar gestos inúteis, saber dosear o esforço e procurar uma boa colocação dentro da área. Tem um remate forte e o sentido da baliza, pressente o golo, mas para isso tem de estar muito concentrado no jogo e não se dispersar, porque às vezes parece meio alienado do jogo. Por tudo isso me parece que precisa de ser um jogador mais constante no jogo", acrescentou, retomando a primeira ideia.

Fazer menos para conseguir mais

Do que não restam dúvidas é da capacidade que Sérgio Conceição mostra para tirar o melhor de Aboubakar. "O treinador tem de exigir sempre dele, mantê-lo sob pressão, sob uma pressão que seja positiva, conversar com ele, mas sem deixar de exigir movimentações perfeitas, gestos técnicos perfeitos, porque só assim vai continuar a progredir naquela posição. Um grande avançado faz tudo de forma perfeita, para estar sempre envolvido no jogo. Ele tem de perceber que por vezes é melhor fazer menos para conseguir mais, ou seja, driblar três ou quatro adversários pode não ser o ideal, mais vale driblar dois e rematar. São coisas dessas que o treinador tem de lhe mostrar, por exemplo", continuou a explicar o lendário avançado camaronês.

© Fábio Poço/Global Imagens

citacaoOs elogios são bons, mas histórico avançado camaronês prefere os avisos: o portista deve trabalhar a concentração no jogo para se tornar um avançado mais constante e regular na hora de marcar

As estatísticas e os 13 golos apontados - nove na pré-época mais quatro no campeonato - desde o início da temporada é que parecem não contar muito para Roger Milla. "É um goleador, está ali para isso. Quanto mais melhor. Tem de trabalhar sempre para conseguir mais, sem hesitar em tentar a sua sorte. Se ele estiver bem psicologicamente, vai ter a confiança que precisa para continuar a marcar. Mas fazer um hat trick é, sem dúvida, motivador para um avançado", reconheceu. Esta "segunda oportunidade" no FC Porto está a ser muito diferente da primeira experiência que teve no clube em 2014/15 e 2015/16. "Sentir que é o número um do ataque da equipa é uma pressão positiva para ele, assim como saber que esperam muito dele esta época" sublinhou.

Para Milla, o palco pouco interessa, o que importa é o rendimento e isso foi tema recorrente: "Jogar na Liga dos Campeões regularmente com o FC Porto é importante, como é importante jogar bem no campeonato, mas ele não pode esquecer que tudo começa nos treinos. Até a disciplina de jogo - que me parece poder melhorar ainda - pode ser trabalhada nesse espaço."

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon