Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Áustria pede à Itália que pare de transferir migrantes das ilhas para o continente

Logótipo de O Jogo O Jogo 20/07/2017 Administrator

O ministro dos Negócios Estrangeiros austríaco apelou hoje a Itália para que não transfira para o continente europeu os migrantes, a desembarcar em cada vez maior número nas ilhas italianas, para desincentivar o tráfico de seres humanos.

"Esperamos que ponham um fim à transferência regular de migrantes ilegais entre as ilhas italianas, como Lampedusa, e o continente", declarou Sebastian Kurz após uma reunião em Viena com o seu homólogo italiano, Angelino Alfano, durante a qual lhe transmitiu esta posição do governo austríaco.

Kurz sublinhou que ao transferir os migrantes para o continente, a Itália está a permitir-lhes "prosseguir a sua rota para norte".

"Não só coloca pressão sobre a Europa central, como também incentiva mais migrantes a partir, dando mais dinheiro a ganhar aos traficantes e aumentando o número de naufrágios", realçou o ministro austríaco.

"As missões de resgate no mar não podem continuar a ser consideradas como um bilhete para a Europa central", disse ainda Kurz.

O ministro austríaco, de 30 anos, notabilizou-se pela postura conservadora face à questão dos refugiados, opondo-se em 2015 à política de abertura temporária de fronteiras defendida pela chanceler alemã, Angela Merkel.

No início de julho, Kurz e o ministro da Administração Interna advertiram que a Áustria estaria disposta a aplicar controlos reforçados das fronteiras com a Itália, caso o número de migrantes continuasse a aumentar. O governo em Roma reagiu com protestos, criticando a falta de solidariedade europeia relativamente a esta questão.

Desde o início do ano que já chegaram às costas italianas mais de 85 mil pessoas. A Itália já acolheu mais de 500 mil migrantes desde 2014.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon