Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Óbito/Liu Xiaobo: França pede liberdade de movimentos para-família do dissidente

Logótipo de O Jogo O Jogo 13/07/2017 Administrator

O chefe da diplomacia francesa, Jean-Yves Le Drian, saudou a memória do dissidente chinês e Nobel da Paz Liu Xiaobo, que morreu hoje, pedindo a Pequim que garanta a liberdade de movimentos à sua família.

"Foi com profunda tristeza que tomei conhecimento da morte de Liu Xiaobo, prémio Nobel da Paz 2010", escreveu Le Drian numa declaração à imprensa.

O ministro francês destacou a forma como o dissidente, "durante mais de 30 anos", defendeu "com coragem os direitos fundamentais, nomeadamente a liberdade de expressão".

"França pediu várias vezes a sua libertação e deseja que as autoridades chinesas garantam a liberdade de movimentos da sua mulher, Liu Xia, da sua família e dos seus amigos", apelou.

"A defesa dos direitos humanos é uma prioridade da diplomacia francesa em todo o mundo. A esse título, essa questão faz parte do nosso diálogo com a China", concluiu.

Liu Xiaobo, primeiro chinês a ser distinguido com o Nobel da Paz, morreu hoje aos 61 anos, num hospital de Shenyang, nordeste da China, vítima de cancro do fígado.

O dissidente, que cumpria há mais de oito anos uma pena de 11 por "subversão", foi libertado condicionalmente no final de maio da prisão, dias depois de lhe ter sido diagnosticado o cancro em fase terminal, e transferido para o hospital.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon