Ao utilizar este serviço e o conteúdo relacionado, concorda com a utilização de cookies para análise, anúncios e conteúdos personalizados.
Está a utilizar uma versão de browser mais antiga. Utilize uma versão suportada para obter a melhor experiência possível com o MSN.

Ópera confronta antissemitismo de Wagner no festival dedicado ao compositor

Logótipo de O Jogo O Jogo 26/07/2017 Administrator

Uma plateia do festival de ópera de Bayreuth, na Alemanha, dedicado às obras do compositor alemão Richard Wagner, aplaudiu na terça-feira uma produção que critica abertamente o antissemitismo do seu autor.

Entre os presentes estavam a chanceler alemã Angela Merkel, assídua nas várias edições do festival, e o casal real sueco.

"Die Meistersinger von Nürnberg" (Os Mestres Cantores de Nurumberga) é uma comédia de Wagner sobre uma competição de canto passada na cidade bávara durante o século XVI. Enquanto o original se concentra na ideia da supremacia da arte alemã, a adaptação apresentada esta terça-feira apela para a vigilância contínua ao perigo da intolerância e do antissemitismo.

O diretor de cena, o australiano Barrie Kosky, é o primeiro judeu a ocupar aquelas funções em Bayreuth, na que era a ópera preferida de Adolf Hitler.

"Não posso, como judeu, fingir, como muitos fazem" que a ópera "não tem nada a ver com antissemitismo porque obviamente que tem a ver com isso", disse Kosky, numa entrevista transmitida esta terça-feira pelo canal cultural alemão 3-sáb.

A encenação é inspirada na própria vida de Wagner. A primeira cena decorre num ambiente que representa a antiga casa do compositor em Bayreuth. Wagner está sentado ao lado da sua esposa Cosima, conhecida antissemita, e do compositor judeu Hermann Levi, grande admirador de Wagner que teve de submeter às pressões do compositor para que se convertesse ao Cristianismo.

Kosky transforma mais tarde a casa de Wagner na sala de tribunal onde decorreram os julgamentos de Nuremberga contra os oficiais nazis, numa encenação cheia de referências à importância da localidade para o regime.

Um dos personagens, Beckmesser, é importunado pela multidão e coberto com uma cabeça de papel com as características das caricaturas dos judeus feitas pelo regime nazi.

Também o simpósio planeado para sexta-feira e sábado vai confrontar o legado antissemita do compositor. "Obra de Wagner e o Nacional-Socialismo" vai incluir palestras e discussões sobre a personalidade de Wagner, bem como o impacto e consequências a longo prazo dos seus trabalhos e escritos no regime nazi. Estão ainda planeados quatro concertos com música de compositores que se opuseram ao regime nacional-socialista.

O Festival de Bayreuth realizou-se pela primeira vez em 1876, fundado pelo próprio Richard Wagner e dedicado exclusivamente às obras do compositor. O festival foi reaberto depois da Segunda Guerra Mundial, em 1951, pelos netos do Wolfgang e Wieland Wagner, sendo o centenário do nascimento de Wieland assinalado na edição deste ano com a exposição "Nada é para sempre".

A diretora atual do festival, que se estende este ano até dia 28 de agosto, é Katharina Wagner, bisneta do compositor alemão.

AdChoices
AdChoices

Mais de O Jogo

image beaconimage beaconimage beacon